Nicolás Maduro

Vídeos mostram tortura no regime de Nicolás Maduro

1.665

As imagens que revelam tortura para com reclusos por parte dos serviços de informação de Maduro foram divulgadas por um ex-funcionário da Direção Geral de Contrainteligência Militar da Venezuela.

Através de gravações feitas por câmaras ocultas, Ronald Dugarte tentou captar a realidade vivida dentro do estabelecimento

RAYNER PENA/EPA

Foram divulgadas algumas imagens que retratam episódios de maus tratos e tortura de presos venezuelanos detidos pelos serviços de informação do regime de Nicolás Maduro. O vídeo foi revelado por um ex-funcionário da Direção Geral de Contrainteligência Militar, Ronald Dugarte, que se revoltou contra a violência cometida pelo regime contra os reclusos.

No vídeo, partilhado pelo jornal espanhol ABC, pode ver-se um preso com as mãos amarradas atrás das costas e os olhos vendados e um grupo de pessoas amontoadas num cubículo obrigadas a dormir nessa condição. Estes indivíduos não têm permissão nem para ir à casa-de-banho, nem para consultar um médico em caso de doença, de acordo com o ABC. Serão cerca de os 70 reclusos a viver nestas condições, à guarda do Serviço Bolivariano de Informações Nacional, em Caracas.

Através de gravações feitas por câmaras ocultas, Ronald Dugarte tentou captar a realidade vivida dentro do estabelecimento.  Revoltado com a tortura cometida nesse contexto, o tenente aproveitou na terça-feira para relatar numa videoconferência na sede da Organização dos Estados Americanos, todos os episódios que foi testemunhando, desde choques elétricos, asfixias com sacos de plástico, golpes e até injeção de substâncias desconhecidas.

Dugarte entregou as imagens, gravadas por câmara oculta, e uma lista de nomes de alguns dos torturadores ao instituto Casla, juntamente com uma lista de 77 detidos. As informações e documentos vão ser levados ao Tribunal Penal Internacional, no qual o diretor do instituto Casla, Tamara Suju, já denunciou abusos e torturas do regime de Maduro. Nos últimos dois meses, o instituto Casla apresentou à Organização dos Estados Americanos cerca de 40 novos casos de tortura.

De acordo com o ABC, Juan Guaidó, que assumiu o cargo de presidente interino da Venezuela em janeiro, prometeu uma amnistia a todos os soldados que, tal como no caso do tenente Ronald Dugarte, viraram as costas ao regime de Maduro e reconheceram a legitimidade do novo governo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)