Eleições Europeias

PS inicia em Portalegre as suas jornadas de proximidade

113

O PS realiza, este domingo e segunda-feira, jornadas de proximidade, sem o secretário-geral e primeiro-ministro mas com o cabeça de lista dos socialistas às europeias, Pedro Marques.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O PS realiza, este domingo e segunda-feira, jornadas de proximidade no distrito de Portalegre, sem o secretário-geral e primeiro-ministro, António Costa, mas com o cabeça de lista dos socialistas às europeias, Pedro Marques.

As jornadas de proximidade, como o PS as batizou, são uma espécie de jornadas parlamentares que levam os deputados a um determinado ponto do país, e, no caso de Portalegre, terão uma duração mais curta, menos de 24 horas.

As últimas jornadas do PS nesta legislatura, antes das eleições gerais de outubro, realizam-se em 24 e 25 de junho, segundo disse à Lusa uma fonte da direção parlamentar socialista, mas não foi anunciado o local.

O programa dos deputados em Portalegre começa hoje à hora de jantar, com os discursos de Carlos César, presidente e líder parlamentar do PS, e de Pedro Marques, e termina na segunda-feira à tarde.

Na segunda-feira, os deputados dividem-se em dois grupos. O de Carlos César desloca-se na manhã de segunda-feira ao Centro de Formação da GNR e a Pousada da Juventude de Portalegre, almoça com os deputados e vai ver visitar as margens do rio Tejo, no Gavião.

O segundo grupo de deputados visita o Hospital Dr. José Maria Grande, uma unidade fabril, a Coudelaria de Alter do Chão e o aeródromo municipal de Ponte de Sor.

As anteriores jornadas parlamentares do PS foram em Portimão, distrito de Faro, em novembro de 2018.

O distrito de Portalegre elege dois deputados. Em 2015, o PS elegeu um e o PSD outro.

Nessas eleições, o PS ficou em primeiro, com 42,4%, e a coligação PSD/CDS obteve 26,7%.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)