“Um dos mais notáveis atos de compaixão que eu já vi”. Esta foi a reação homem mais rico do Zimbabué ao saber da jornada da mulher de 71 anos que caminhou quase 10 quilómetros com mantimentos para entregar às vítimas do ciclone Idai, noticia a CNN. Na saca que Plaxedes Dilon carregava na cabeça estavam roupas e utensílios domésticos que acabaram por ser entregues na Igreja Presbiteriana de Highlands, em Harare.

Neste centro religioso estão vários voluntários a dar auxílio a milhares de deslocados. E foi precisamente a Igreja Presbiteriana que fez com que a mulher ficasse conhecida, depois de publicar uma foto de Plaxedes Dilon a carregar a saca. A heroína do Zimbabué não tinha dinheiro para pagar uma viagem de casa ao centro de ajuda, e decidiu pura e simplesmente andar.

Agora o bilionário Strive Masiyiwa prometeu construir uma casa para Plaxedes em qualquer zona do país que ela quiser e dar-lhe 1000 dólares (890 euros) por mês até ao fim da vida. O anúncio foi feito num post no Facebook, onde o magnata das telecomunicações escreveu: “O que ela fez foi um dos mais notáveis atos de compaixão que eu já vi. (…) Eu vou encontrá-la, e convidá-la a ver-me. Depois, vou fazer uma oração com ela. E depois vou construir-lhe uma casa onde ela quiser no Zimbabué. Terá energia solar e água corrente. (…) Vou dar-lhe uma quantia mensal de 1000 dólares para a vida!”

A mulher de 71 anos decidiu doar algumas das suas roupas depois de ouvir as notícias do desastre na rádio. Plaxedes Dilon diz que admira “as pessoas que são movidas a agir numa crise” e deseja que “Deus abençoe” quem é movido a fazê-lo. A altruísta reforça ainda que ajudar não depende “daquilo que se tem”.

O ciclone assolou Moçambique, em especial a zona da Beira, o Zimbabué e o Malawi a 15 de Março, matando cerca de 750 pessoas e deixando milhares de deslocados sem nada. Há várias organizações nas zonas afetadas a tentar ajudar as vítimas da tragédia.