Rádio Observador

Pesca

Sobrepesca no Atlântico Nordeste recua para 40% em 2017

A sobrepesca no Atlântico Nordeste -- que abrange as águas continentais portuguesas e dos arquipélagos - decresceu de 75% para cerca de 40% entre 2007 e 2017 nos 'stocks' para os quais há dados.

VALDRIN XHEMAJ/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A sobrepesca no Atlântico Nordeste — que abrange as águas continentais portuguesas e dos arquipélagos – decresceu de 75% para cerca de 40% entre 2007 e 2017 nos ‘stocks’ para os quais há dados, segundo um relatório da Comissão Europeia.

Assinalando a tendência em baixa das unidades populacionais (‘stocks’) sobreexploradas, o relatório sobre o progresso feito no sentido da pesca sustentável destaca ainda que o decréscimo da sobrepesca abrandou nos últimos anos, tendo mesmo havido um aumento entre 2013 e 2014.

A proporção de unidades populacionais fora dos limites biológicos seguros recuou, por seu lado, de 65% em 2013 para 35% em 2017.

O número de ‘stocks’ que, no mar ibérico e baía da Biscaia, está dentro do limite biológico seguro cresceu de dois em 2003 para 8 em 2017, não tendo sido identificada qualquer unidade populacional fora deste limite, contra 6 em 2003.

A Política Comum das Pescas estipula que, até 2020, todas as unidades populacionais deverão ser exploradas de modo a obter-se um rendimento máximo sustentável (RMS), ou seja, o máximo de capturas possível sem afetar a produtividade futura das unidades populacionais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
363

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)