hacker português Rui Pinto é um dos três vencedores do prémio “Jornalistas, Denunciantes e Defensores do Direito à Informação” deste ano, atribuído esta terça-feira em Estrasburgo pelos eurodeputados do Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde.

Juntamente com Rui Pinto, os restantes dois vencedores do prémio foram Julian Asssange, o fundador da WikiLeaks que na semana passada foi detido na embaixada do Equador em Londres, e Yasmine Motarjemi, denunciante dos lapsos de segurança alimentar da Nestlé. Os três vão receber cinco mil euros pelo trabalho desenvolvido.

O prémio “Jornalistas, denunciantes e defensores do direito à informação”, que vai na sua segunda edição, premeia anualmente pessoas que divulgaram casos como corrupção ou evasão fiscal. No ano passado, foram distinguidos o jornalista eslovaco de investigação Ján Kuciak, que foi assassinado, e ainda o denunciante da LuxLeaks, Raphaël Halet.

Neste ano, estavam também nomeados os denunciantes Katya Mateva (do esquema de vistos dourados do Ministério da Justiça búlgaro), Luis Gonzalo Segura (de corrupção e irregularidades no exército espanhol) e ainda Howard Wilkinson (do banco Danske).

Os vencedores são anunciados no mesmo dia em que o Parlamento Europeu aprovou a nova lei para proteger denunciantes que agem em prol do interesse público na União Europeia (UE), sendo a primeira diretiva comunitária para este tipo de casos. No caso de Rui Pinto, não irá beneficiar diretamente da nova lei, sendo que não agiu no seio de uma organização, como prevê a diretiva, mas pode ser, ainda assim, abrangido pela ação em prol do interesse público, desde logo quando esta legislação é relacionada com outras existentes.

A decisão dos vencedores deste prémio foi anunciada pelo eurodeputado espanhol Miguel Urbán Crespo em declarações aos jornalistas, segundo a Renascença.