Seul instou hoje Pyongyang “a por fim a ações que ativam a tensão”, referindo-se ao lançamento de mísseis de curto alcance, na mensagem mais dura de Seul desde que se iniciou a aproximação entre as duas Coreias.

“O lançamento de vários mísseis de curto alcance da Coreia do Norte viola o espírito do acordo de 19 de setembro”, diz um comunicado o Governo sul-coreano, referindo-se à declaração assinada na cimeira entre as duas Coreias em Pyongyang do ano passado.

Este lançamento de mísseis pela Coreia do Norte ocorre numa altura de estagnação no diálogo sobre a desnuclearização com os Estados Unidos e parece indicar uma crescente impaciência de Pyongyang, que exige a Washington uma proposta de desarmamento mais flexível e acompanhada de um levantamento gradual das sanções.

O lançamento de hoje acontece pouco mais de uma semana depois da cimeira entre o presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o presidente russo, Vladimir Putin, em Vladivostok.

“Os Estados Unidos adotaram uma atitude de má-fé” na segunda cimeira entre o líder norte-coreano e o presidente dos EUA, Donald Trump, em fevereiro, disse Kim a Putin no encontro, segundo a KCNA.

A Coreia do Norte tem exigido que cessem “totalmente” as sanções que a ONU impôs ao regime de Pyongyang devido aos testes nucleares e balísticos iniciados em 2006.

A Casa Branca, no entanto, mantém a posição de não ceder a essa pressão enquanto Pyongyang não tomar medidas concretas para desmantelar o seu arsenal nuclear.