Forças Policiais

É inadmissível que ainda existam abusos policiais, diz inspetora-geral da Administração Interna

381

Preocupada com alguns "abusos" das forças policiais, Margarida Blasco pede "tolerância zero". Em 2018 recebeu 860 denúncias contra a atuação das forças de segurança, o valor mais alto em sete anos.

A magistrada sublinhou também o "número muito elevado" de processos disciplinares instaurados no ano passado, um total de 60, além de 40 inquéritos e três processos de averiguações

José Sena Goulão/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A inspetora-geral da Administração Interna, que fiscaliza as forças e serviços de segurança, considerou esta quarta-feira inadmissível que ainda existam abusos policiais, declarando “tolerância zero” deste organismo a essas situações.

“Penso que a polícia melhorou muito nos últimos anos, tenho acompanhado sempre a evolução das polícias. Trabalho nesta área há 40 anos, quando fui colocada no primeiro tribunal há 40 anos e aquilo que eu posso dizer é que francamente há um saldo muito positivo na atuação. Agora obviamente que há abusos e esses abusos têm de ser tratados e é com tolerância zero”, disse Margarida Blasco, que nesta quarta-feira deixa o cargo ao fim de sete anos.

Em entrevista à agência Lusa, a magistrada considera que “não é admissível que esses abusos continuem de uma forma gratuita”.

Nesse sentido, destacou a importância de “um órgão externo às próprias polícias”, como é o caso da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI), que “de uma forma independente, objetiva e dentro do princípio da legalidade verifica as situações”.

“Por isso é que existimos. E é importante que se verifique o que se passou e toda a situação que deu origem a essas queixas”, precisou, acrescentando que a IGAI, na existência de “uma violação grave dos direitos dos cidadãos”, é “perfeitamente crítica e impõe penas aos elementos policiais porque é a própria imagem das forças e serviços de segurança que está em causa”.

Para a inspetora-geral, “é importante que haja celeridade” nos processos disciplinares, porque a sua abertura determina a evolução da carreira do polícia e, por outro lado, há também que “sancionar aqueles que efetivamente podem contaminar outros agentes pela sua má conduta”.

As queixas contra membros da PSP e da GNR são a grande fatia do trabalho da IGAI, que em 2018 recebeu 860 denúncias contra a atuação das forças de segurança, o valor mais alto dos últimos sete anos.

Sobre este aumento, Margarida Blasco referiu que as pessoas “estão mais disponíveis” para apresentar denúncias e existe um maior conhecimento da IGAI por parte dos portugueses, além das notícias dos órgãos de comunicação social serem também fonte para esta inspeção-geral abrir um processo.

Margarida Blasco destacou igualmente a existência desde fevereiro do portal da queixa, que permite ao cidadão fazer uma queixa na página da internet da IGAI.

Segundo dados avançados pela inspetora-geral, deram entrada neste portal, até hoje, 38 queixas, sendo que 12 estavam relacionadas com outros ministérios e foram reencaminhadas.

A magistrada sublinhou também o “número muito elevado” de processos disciplinares instaurados no ano passado, um total de 60, além de 40 inquéritos e três processos de averiguações.

“Sessenta processos disciplinares é um número muito elevado. Há, no entanto, uma nota muito positiva: no ano passado, não houve qualquer cidadão morto por ação policial, isso é um facto positivo, já que em anos anteriores tinha havido cidadãos que tinham morrido na sequência da atividade policial”, frisou.

Margarida Blasco deu conta que neste momento está a decorrer uma auditoria na IGAI sobre a presença da extrema-direita nas forças de segurança, investigação que está a ser feita depois de queixas.

“A IGAI investiga todas as queixas. Se há indícios sobre situações de extrema direita e isso condiciona a atuação dos elementos, investigamos. Porque são situações que a verificarem-se são graves”, sustentou.

Margarida Blasco recusou ainda que exista racismo nas polícias, podendo apenas “haver um elemento ou outro que possa ter esse tipo de comportamentos”.

“Queremos erradicar [o racismo e a xenofobia] completamente das forças, mas na sua globalidade não se pode tomar um caso como um todo, porque são cerca de 50 mil pessoas e é perfeitamente absurdo que se diga isso”, disse a magistrada.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)