Rádio Observador

Venezuela

Nicolás Maduro reforça segurança na fronteira com a Colômbia

Maduro acusou o Presidente colombiano, Iván Duque, de "estar ao serviço" da Administração norte-americana de Donald Trump e de "estar a preparar uma agressão" contra a Venezuela.

O Presidente venezuelano disse que a segurança na fronteira com a Colômbia foi reforçada e pediu aos militares venezuelanos para se manterem em "alerta máximo"

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Venezuela acusou esta quinta-feira Washington e Bogotá de estarem a preparar “um plano miserável” para acabar com o seu Governo e ordenou o reforço da segurança na fronteira com a Colômbia.

“Há uma escalada de declarações, de falsidades, que podem terminar numa escalada militar. Vamos reforçar a fronteira (…) querem justificar uma intervenção militar estrangeira. Assim o denuncio”, declarou Nicolás Maduro, numa intervenção transmitida em simultâneo e de maneira obrigatória pelas rádios e televisões venezuelanas.

Maduro acusou o Presidente colombiano, Iván Duque, de “estar ao serviço” da Administração norte-americana de Donald Trump e de “estar a preparar uma agressão” contra a Venezuela. “Queremos a paz, mas a forças militares estão preparadas para defender a Venezuela, quando for e onde for”, frisou.

O Presidente venezuelano disse que a segurança na fronteira com a Colômbia foi reforçada e pediu aos militares venezuelanos para se manterem em “alerta máximo”.

Apesar de a Colômbia e a Venezuela terem uma fronteira comum de cerca de 2.200 quilómetros, o Governo de Duque, no poder desde agosto passado, não mantém relações diplomáticas com Caracas.

Nicolás Maduro sublinhou que as Forças Armadas Bolivarianas venezuelanas “estão unidas”, apesar do apelo feito na terça-feira pelo vice-Presidente norte-americano, Mike Pence, para que os oficiais venezuelanos desconheçam o regime de Caracas, em troca do fim das sanções impostas pela Casa Branca.

“Não, Mike Pence, o comandante e chefe constitucional, legítimo das nossas Forças está aqui e chama-se Nicolás Maduro (…) e as FAB estão coesas, unidas e leais, perante o comandante e chefe e perante a estrutura nacional do nosso conceito e doutrina estratégica bolivariana”, disse.

Na segunda-feira, Pence anunciou o fim das sanções impostas ao general Manuel Ricardo Cristopher Figuera, que dirigiu os serviços secretos venezuelanos até 30 de abril último.

O levantamento das sanções teria por base um alegado apoio de Manuel Ricardo Cristopher Figuera ao presidente do parlamento venezuelano, o opositor Juan Guaidó.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder do Assembleia Nacional (AN, dominada pela oposição), Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente interino e prometeu formar um Governo de transição e organizar eleições livres.

Guaidó, de 35 anos, contou de imediato com o apoio de mais de 50 países, incluindo os EUA e a maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, que reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Nicolás Maduro, de 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada por Washington.

À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou mais de 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, indicaram dados da ONU.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)