Foram dois entusiastas com detetores de metais que descobriram o tesouro enterrado em Lincolnshire. Debaixo de terra desde o século IV estava um pote de barro com cerca de três mil moedas de cobre usadas no Império Romano. Rob Jones, de 59 anos, e Craig Paul, de 32, fizeram a maior descoberta deste tipo na história do Reino Unido.

Depois de serem descobertas em julho de 2017 as moedas foram desenterradas por um grupo de arqueólogos e, como relata a Sky News, passam agora a integrar a coleção do British Museum para que possam ser analisadas em detalhe.

O pote de barro estava no centro de uma oval construída em pedra de cal. “O que encontrámos sugere o tesouro não foi enterrado em segredo, mas como um ato cerimonial ou um oferta religiosa”, especula um dos responsáveis pelo processo, o arqueólogo Adam Daubney, que admite que nunca será possível saber exatamente a história do tesouro.

“O que se sabe com certeza é que as moedas datam do tempo em que Constantino foi declarado imperador em York [306 d.C.]“, sublinha, no entanto, Daubney, em entrevista à BBC. O arqueólogo não avançou uma ligação causal entre os dois acontecimentos.

Todos os achados arqueológicos com mais de trezentos anos, ou contendo metais preciosos, têm de ser declarados ao governo britânico. Caso um museu esteja interessado em adquirir os itens, quem os encontrou recebe uma comissão baseada no valor do objeto. Neste caso, Adam Daubney considera que o pagamento deve rondar “as dezenas de milhares de libras”.