Rádio Observador

Google

“Há um problema” na internet e a Google quer resolvê-lo com 800 pessoas em Munique

Google inaugurou um "centro global de engenharia informática para a privacidade no coração da Europa", em Munique, onde se faz o Chrome. Quer duplicar equipa de engenheiros focados em cibersegurança.

“Há um problema” na internet e a “Google é uma doença para a democracia”. As frases não são da gigante tecnológica norte-americana, mas foram ditas na terça-feira pelo filósofo francês Bernard-Henri Levy, no evento de inauguração do novo Centro Global de Engenharia de Segurança (GSEC) da Google, em Munique. Das três torres de edifícios, a empresa ocupa, desde 2016, duas torres e meia e tem cerca de 800 pessoas a trabalhar para os serviços de privacidade e segurança de ferramentas como o browser Chrome. Agora, com o GSEC, a Google prometeu duplicar para “mais de duzentos” o número de engenheiros informáticos focados na “programação para a privacidade”.

As críticas de Levy à Google não foram ditas em vão: na primeira fila do pequeno auditório estavam executivos como Kent Walker, diretor máximo de assuntos jurídicos da Google, ou Kristie Canegallo, responsável de confiança e segurança da tecnológica. Além disso, estes comentários iniciais do filósofo convidado pela empresa tinham um propósito: afirmar que a gigante tecnológica “pode reparar os danos que fez”.

Para resolver problemas como o abuso indevido de dados pessoais online à perda de confiança em plataformas da internet, o dia foi dedicado aos esforços da empresa para “reparar” os “danos”, dos quais também é responsável. Parte da solução? “Um centro global de engenharia informática para a privacidade no coração da Europa”, como referiu Sundar Pinchai, presidente executivo da Google, em comunicado, e, como disse Levy, a Google continuar a “revolução” que criou, ao “permitir que toda a memória do mundo esteja acessível”.

Na semana passada, a Google mostrou em São Francisco — no evento anual para programadores — algumas mudanças nas definições das contas Google [serviço pessoal da Google que agrega os dados e controlos das app da empresa para cada utilizador] e no Chrome para poder melhorar a privacidade online.

Algumas das alterações anunciadas quanto novo layout (aparência) da privacidade da empresa, como a forma como o browser guarda as passwords, foram desenvolvidas em Munique. Contudo, mesmo com um centro europeu que junta “algumas das melhores mentes” que trabalham nestas áreas, os executivos afirmaram: “A conta Google é um produto que nunca está realmente acabado”.

Sejam gestores de palavras-passe embutidos no browser ou definições para um testamento digital dos dados que a Google detém, no fim, o produto que a maioria das pessoas utiliza para navegar na internet está destinado a sofrer alterações. Nalguns casos, como com a implementação do Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), a imposição para as alterações das empresas é legal, já noutros, é um passo para a Google estar à frente das leis.

Como referiu Walker numa resposta a jornalistas “a maioria dos produtos anunciados não foi exigido por lei e fizemo-los de qualquer forma”. Atualmente, a Google tem estado debaixo de um forte escrutínio pelas práticas concorrenciais e de tratamento de dados com que opera na União Europeia. No último ano, a Comissão Europeia aplicou coimas de milhares de milhões de euros  à empresa norte-americana. Numa primeira sanção recorde em julho de 2018, a Google foi multada pela forma como utiliza a informação dos utilizadores para obter receitas.

Noutro processo, em março, a Comissão voltou a sancionar a empresa pela forma como disponibilizou o Android, o sistema operativo móvel da Google, a algumas empresas de forma a incentivar que os utilizadores utilizassem apenas os programas informáticos da multinacional norte-americana nos smartphones.

Com as portas abertas do novo centro em Munique, a Google quis passar a mensagem — em plena época de eleições europeias — que, na Europa, está a investir na privacidade. Contudo, não houve escapatória a algumas perguntas que ainda deixam dúvidas. “Como é que a Google utiliza os dados que recolhe?”, perguntou um jornalista. À semelhança de Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, no Congresso norte-americano, a resposta foi: “a principal maneira como temos resultados é através de pesquisas e anúncios”. E da publicidade, a empresa afirma que “apenas monetiza cerca de 6% das pesquisas feitas”.

Um centro para a privacidade que tem ginásio, cantinas e… privacidade nas respostas

Durante a manhã, a Google quis mostrar o trabalho que faz nos escritórios de Munique. Este hub tecnológico na Alemanha funciona em coordenação com outros espaços da empresa nas cidades de Tel Aviv (Israel), Zurique (Suíça), Nova Iorque e Mountain Valley (Estados Unidos da América). Houve espaço na agenda para ouvir dos programadores quais foram as alterações feitas definições da conta Google, além de um mini-workshop sobre o método da empresa — o Sprint — para transformar ideias em alterações reais nos produtos. Contudo, sobre que ideias é que já não passaram ou quais sofreram alterações quanto a estes métodos, os funcionários da Google mantiveram a privacidade nas respostas.

Ao todo, há 57 nacionalidades entre os 800 funcionários destes escritórios da Google em Munique. Da construção do Google Chrome a novas ferramentas focadas na privacidade digital, há bastante trabalho a ser desenvolvido na Alemanha.

Numa curta visita, a Google mostrou um pouco destes espaço: o ginásio, a cantina com comida diária diferente feita por um chef residente, copas com refrigerantes à descrição e uma sala jogos. Aqui não faltam comodidades para os trabalhadores. Já ver os espaços de trabalho, aqueles com secretárias e ecrãs de computador, foi mais difícil: aí foi preciso passar ao lado pelo corredor e não tirar fotografias com a justificação de manter a privacidade de quem ali programa e trabalha.

*O Observador esteve em Munique na inauguração do Centro Global de Engenharia de Segurança a convite da Google

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)