Municípios

Mais de duas centenas de municípios recebem 3,1 milhões para alargar cobertura ‘wi-fi’

No Dia Mundial das Telecomunicações, dois terços dos municípios portugueses receberam 3,1 milhões de euros da iniciativa europeia WiFi4EU. O objetivo? Alargar a cobertura "wifi" em locais públicos.

A WiFi4EU tem como objetivo "proporcionar acesso à Internet de alta qualidade a residentes e visitantes locais nos principais centros de vida da comunidade local"

HORACIO VILLALOBOS/EPA

Mais de 200 municípios portugueses, cerca de dois terços do total, receberam 3,1 milhões de euros em vales da Comissão Europeia para alargar a cobertura ‘wi-fi’ em locais públicos, divulgou esta sexta-feira a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).

No dia em que se celebra o 50.º aniversário do Dia Mundial das Telecomunicações e da Sociedade de Informação, a Anacom adianta que, dos 143 municípios portugueses que se candidataram à segunda chamada da iniciativa da Comissão Europeia WiFi4EU, 80 conseguiram vales no valor de cerca de 1,2 milhões de euros.

“Desta forma, eleva-se a 207 o número de municípios portugueses contemplados com verbas para a instalação de ‘wi-fi’ em locais públicos, uma vez que na primeira chamada, realizada no final de 2018, foram atribuídos vales a 127 municípios”, acrescenta.

“No total – acrescenta – estes municípios, que representam 67% dos municípios portugueses, já receberam 3,1 milhões de euros ao abrigo desta iniciativa”.

Nesta chamada estavam disponíveis 51 milhões de euros, tendo havido mais de dez mil candidaturas a nível da União Europeia e sido atribuídos 3.400 vales (no valor de 15 mil euros cada), o que significa que 34% dos candidatos foram contemplado com vales.

Segundo destaca a Anacom, “Portugal teve um resultado superior, dado que cerca de 56% dos municípios que se candidataram receberam vales”.

Com a conclusão desta segunda chamada, aumentam para 6.200 os municípios da União Europeia que receberam verbas para a instalação de ‘wi-fi’ em locais públicos, fazendo Portugal parte de um grupo de países em que mais de metade dos municípios que se candidataram já beneficiaram de vales, a par de países como a Croácia, Grécia, Irlanda, Bulgária, Lituânia e Eslovénia.

Manifestando o seu “agrado” pelo “grande sucesso dos municípios portugueses na candidatura aos vales da Comissão Europeia”, a Anacom felicita “o contributo das autarquias portuguesas na promoção do acesso à Internet por parte de toda a população portuguesa” e “incentiva as empresas do setor das comunicações eletrónicas a prosseguir o investimento na expansão da rede de alta velocidade em todo o país”.

Segundo adianta, a Comissão Europeia “já reforçou as verbas para esta iniciativa, que contava com uma dotação de 120 milhões de euros”, sendo o objetivo “que venham a ser contemplados um total de nove mil municípios, o que eleva o valor afeto à iniciativa para 135 milhões de euros”.

A iniciativa WiFi4EU tem como objetivo “proporcionar acesso à Internet de alta qualidade a residentes e visitantes locais nos principais centros de vida da comunidade local”, como parques, praças, bibliotecas ou edifícios públicos, “contribuindo para a redução da exclusão digital, especialmente em comunidades de áreas rurais e locais remotos e para o aumento do acesso aos serviços públicos ‘online’ que melhoram a qualidade de vida nas comunidades locais”.

O financiamento europeu destina-se a cobrir os custos de equipamento e instalação do sistema de ‘wi-fi’.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)