Meteorologia

Calor recorde no Verão. Máximas de 43 graus em vários dias consecutivos

5.928

Calor intenso e temperaturas recorde vão marcar o verão da Europa este ano. A ameaça de incêndio será elevada em Portugal e as ondas de calor vão durar vários dias, anuncia o AccuWeather.

Um relatório da plataforma de metereologia destaca o caso português. As temperaturas podem ultrapassar registo de 2018

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Ondas de calor, temperaturas de 43 graus celsius ao longo de vários dias consecutivos, risco de incêndio elevado. Este é cenário previsto para o próximo verão na Península Ibérica – e em especial para Portugal –, avançou esta terça-feira o site de metereologia AccuWeather.

“A Europa terá um verão repleto de calor intenso”, indica o documento da plataforma de meteorologia. A onda de calor chega em junho e atravessa a Península Ibérica, diringindo-se depois para norte durante os meses de verão.

O documento destaca que a onda de calor que chega nas próximas semanas será ainda mais forte e persistente que a do último verão, quando foram registadas temperaturas recorde em países como Portugal, Bélgica ou Holanda.

No continente, a chuva será pouca durante os meses de verão e as temperaturas serão ainda mais elevadas do que as registadas em 2018. Mesmo quando as ondas de calor passarem, as temperaturas vão manter-se perto ou mesmo acima do normal, explica o relatório da plataforma.

Portugal: o protagonista da “história deste verão”

“A maior história deste verão será a longa onda de calor que atingirá áreas de Portugal, Espanha, Polónia e Hungria”, refere o texto do AccuWeather.

Mapa que mostra o risco de incêndio no continente

A plataforma destaca mesmo o caso português: em junho, serão poucos os dias com chuva em Portugal e as temperaturas poderão ser mais elevadas do que as registadas no último verão. O metereologista Tyler Roys, responsável pelo documento, destaca que em Portugal as temperaturas podem atingir os 43 graus Celsius e que as noites serão igualmente quentes.

Com as elevadas temperaturas, e com a vegetação que surgiu depois de um inverno e primavera chuvosos, surgem os riscos de incêndio.

O problema é que as ondas de calor e o clima seco dos próximos meses vão secar a vegetação e na segunda metade do verão a possibilidade de surgirem grandes incêndios vai aumentar bastante”, refere o documento.

A ameaça de incêndio expande-se depois para nordeste e chegará à França, aos Alpes e à Alemanha. Entre julho e agosto, prevê-se que toda a Europa central esteja sob alerta devido ao elevado risco de incêndio.

As áreas de maior risco de incêndio serão o norte de Portugal, o norte de Espanha, e zonas da Alemanha e República Checa. O AccuWeather prevê mesmo que o risco de incêndio se manterá até ao outono, devido ao clima quente e seco. “A seca será um grande problema em muitas áreas até ao outono, afetando a temperatura e a disponibilidade de água pela segunda vez consecutiva em muitas regiões”, diz Roys.

Balcãs serão atingidos por fortes tempestades

O AccuWeather refere ainda que, se na Europa central o calor será a principal preocupação, a Península Balcânica será atingida por fortes tempestades. Grécia, Sérvia, Roménia e Bulgária serão os países mais afetados.

Estas tempestades serão acompanhadas de trovões, causarão cheias e ventos e granizo que podem causar danos. As tempestades mais fortes podem mesmo dar origem a tornados”, explica Roys.

As zonas do continente menos afetadas pelo calor serão o sul da Lituânia e o oeste da Ucrânia. O documento aconselha ainda a população europeia a proteger-se contra o calor. Beber água, usar roupa leve e climatizar a habitação estão entre as principais indicações. Crianças e idosos são os mais vulneráveis ao calor.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Exames Nacionais

Reflexos na pauta /premium

Teresa Espassandim

Vamos lá lutar é por aquela décima no exame que a média agradece e os rankings rejubilam! Mas não esquecer o teatro, ERASMUS, o associativismo, o activismo, o desporto, o voluntariado, as viagens…

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)