Ébola

Epidemia de Ébola já causou 1.223 mortos na República Democrática do Congo

Desde o início da epidemia, em agosto de 2018 na República Democrática do Congo, o número de infetados é de 1.847, dos quais 1.135 foram confirmados laboratorialmente e 88 são suspeitos.

A República Democrática do Congo já foi atingida nove vezes pelo Ébola, depois da primeira manifestação do vírus no país africano, em 1976

LINDSAY MACKENZIE / WHO HANDOUT/EPA

A epidemia do vírus Ébola já causou 1.223 mortos, até ao dia 20 de maio, na República Democrática do Congo, segundo o Ministério da Saúde do país.

Em apenas um dia houve mais cinco mortos confirmados, face ao último balanço, feito no dia 19, em que o número de mortos era 1.218.

Desde o início da epidemia, declarada em agosto de 2018 na República Democrática do Congo, o número de infetados é de 1.847, dos quais 1.135 foram confirmados laboratorialmente, 88 são suspeitos, enquanto 487 pessoas já foram curadas.

De acordo com o Ministério da Saúde, há 292 casos suspeitos sob investigação e cinco novos casos confirmados em várias localidades da província de Kivu Norte: três fora dos centros de tratamento, dois em Butembo e um em Mussienene.

Dos cinco mortos confirmados, três foram fora dos centros de tratamento — dois em Butembo e um em Mussienene — e ainda dois no centro de tratamento de Beni.

Segundo a mesma fonte, já houve três pessoas curadas nos centros de tratamentos: duas em Butembo e uma em Katwa. Um funcionário da saúde em Masereka, vacinado, é um dos casos confirmados com o vírus do Ébola.

O número total de casos confirmados/prováveis entre profissionais da saúde é de 104, o que equivale a 5,6% de todos os casos confirmados/prováveis, incluindo 34 mortos.

A República Democrática do Congo já foi atingida nove vezes pelo Ébola, depois da primeira manifestação do vírus no país africano, em 1976.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)