Futebol

Guimarães espera receber 50.000 pessoas para a meia-final da Liga das Nações

270

O responsável pelo desporto na autarquia vimaranense admitiu que vai receber mais adeptos do que aqueles que a lotação do Estádio comporta, que, por imposição da UEFA, é de cerca de 28.000 pessoas.

A fase final da Liga das Nações vai decorrer em Guimarães, mas também no Estádio do Dragão, no Porto, com a meia-final entre Portugal e Suíça, em 05 de junho, às 19:45, e a final, no dia 09, também às 19:45

JOAO ABREU MIRANDA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A cidade de Guimarães espera receber cerca de 50.000 adeptos para o jogo da meia-final da Liga das Nações de futebol, entre Inglaterra e Holanda, em 06 de junho, afirmou esta quarta-feira o vereador Ricardo Costa.

O responsável pelo desporto na autarquia vimaranense admitiu que a cidade vai receber mais adeptos do que aqueles que a lotação do Estádio D. Afonso Henriques comporta — por imposição da UEFA, será de cerca de 28.000 pessoas — e salientou que a população vimaranense tem de estar preparada para os constrangimentos associados ao evento.

“Nessa semana, vamos ter uma população oriunda de outros pontos do mundo. Apelo às pessoas que evitem o automóvel, que andem mais a pé. Queremos um território que se afirme no mundo, mas isso cria constrangimentos”, reconheceu, durante a conferência de imprensa de apresentação de um conjunto de operações no âmbito da partida, marcada para as 19:45.

O plano apresentado inclui pontos de encontro diferentes para os adeptos de cada uma das seleções. A organização, a cabo da câmara, da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e do Vitória de Guimarães, decidiu reunir os holandeses no Parque da Cidade, a leste do estádio (a cerca de 25 minutos, a pé), e os ingleses junto ao pavilhão Multiusos, a sudoeste (a 15 minutos, a pé).

Os adeptos da Holanda, explicou o vereador, vão dispor de 48 autocarros entre o Porto e Guimarães e depois serão encaminhados para o Parque da Cidade, “um local mais aprazível do que o Multiusos”, por terem uma maior tradição de permanecerem no ponto de encontro definido.

Já os ingleses vão dispor de 10 comboios especiais, cada um com capacidade para 1.000 pessoas, a partir do Porto, entre as 11:00 e as 16:00, e depois ser dirigidos para o Multiusos, apesar de “terem mais tendência para se encaminharem de forma dispersa para o estádio ou para a cidade”.

Já as operações de proteção civil vão começar seis horas antes e terminar seis horas depois de cada jogo – Guimarães recebe ainda a atribuição do terceiro e quarto lugares, em 09 de junho -, com meios de socorro e de combate a incêndio em todas as zonas que rodeiam o palco do jogo.

A nível de resíduos, as esplanadas vão ser retiradas das ruas e praças do centro histórico, com os restaurantes e bares a disporem de copos reutilizáveis de plástico.

Presente na conferência de imprensa, um dos vice-presidentes do Vitória de Guimarães, Pedro Coelho Lima, frisou que o Estádio D. Afonso Henriques está a ser alvo de algumas reabilitações exteriores e de algumas mudanças interiores, nomeadamente, a nível de espaço para jornalistas (a organização prevê receber cerca de 1.000).

Já o diretor técnico e de competições da FPF, Carlos Lucas, salientou todos os estádios precisam de “adaptações” para um evento como a Liga das Nações, já que nenhum recinto está preparado para isso no “seu dia a dia”.

A fase final da Liga das Nações vai decorrer em Guimarães, mas também no Estádio do Dragão, no Porto, com a meia-final entre Portugal e Suíça, em 05 de junho, às 19:45, e a final, no dia 09, também às 19:45.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)