Rádio Observador

História

Historiador António Borges Coelho distinguido com Medalha de Mérito Cultural

O Ministério da Cultura destaca o percurso profissional e pessoal do historiador, poeta e ensaísta António Borges Coelho que vai ser distinguido na sexta-feira com a Medalha de Mérito Cultural.

A sua vasta bibliografia inclui poesia, teatro e ficção

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O historiador António Borges Coelho vai ser distinguido na sexta-feira com a Medalha de Mérito Cultural, anunciou esta quarta-feira o Governo, que justificou a atribuição pelo percurso de vida “caracterizado pela intensa atividade política e académica”.

O anúncio foi feito pelo Ministério da Cultura que, em comunicado, destaca o percurso profissional e pessoal deste historiador, poeta e ensaísta, e enaltece também o seu “constante compromisso com a cultura e língua portuguesas, nas quais e para as quais ajudou a preservar e a compreender, com a sua obra, uma parcela fundamental da memória nacional”.

“Para além da relevância do seu percurso científico no âmbito da historiografia portuguesa, foi sublinhada a grande erudição e acessibilidade da sua obra, e o seu comprometimento com a cultura e a língua, evidenciado no modo como integra na narrativa dos acontecimentos a caracterização detalhada de instituições, informações demográficas e estruturas económicas, sociais e culturais”, acrescenta a nota.

Nascido em Murça, Trás-os-Montes, a 07 de outubro de 1928, António Borges Coelho frequentou o Seminário de Montariol (Braga), que abandonou por falta de vocação para o sacerdócio, segundo a nota biográfica disponibilizada pelo Ministério da Cultura.

Borges Coelho mudou-se para Lisboa para estudar Direito, mas acabou por frequentar o curso de História. Em 1962 retomou a sua licenciatura em Ciências Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras de Lisboa, que concluiu, em 1969, com uma tese sobre Leibniz.

Ex-militante do Partido Comunista, António Borges Coelho atuou na clandestinidade antes do 25 de Abril, tendo feito parte da oposição ao regime político, o que lhe valeu perseguições e a prisão durante vários anos, para além do impedimento de dar aulas no ensino oficial.

Em 1974, após a revolução, iniciou a sua atividade de docente no Departamento de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde lecionou largos anos e participou em numerosas provas de mestrado, de doutoramento e de agregação.

Passou a professor catedrático dessa faculdade, em 1993, com uma tese sobre a Inquisição de Évora.

A sua vasta bibliografia inclui poesia, teatro e ficção.

António Borges Coelho desenvolveu também investigação de diversos temas da História de Portugal, de que resultaram obras como “Raízes da Expansão Portuguesa” (1964), “A Revolução de 1383” (1965), e “Comunas ou Concelhos” (1973).

Como ensaísta, é autor de títulos como “Alexandre Herculano” (1965), “Leibniz. O Homem. A Teoria da Ciência” (1969), “O 25 de Abril e o Problema da Independência Nacional” (1975), e “Questionar a História: Ensaios sobre a História de Portugal” (1983).

Nos anos 1970, organizou a obra “Portugal na Espanha Árabe” (1972-1975), em quatro volumes, considerada uma obra de referência.

Como poeta publicou “Roseira Verde” (1962), “Ponte Submersa” (1969), “Fortaleza” (1974), “No Mar Oceano” (1981) e “Ao Rés da Terra” (2002), entre outros.

Escreveu ainda peças para teatro, como “Príncipe Perfeito” (1988), e, na área da ficção, é autor de “Tempo de Lacraus” (1999), e “Youkali é o País dos Nossos Desejos” (2005), entre outros títulos.

Fundou e dirigiu a revista História e Sociedade, participou em diversos congressos e reuniões científicas, e durante 24 anos lecionou na Faculdade de Letras, onde deu a “Última lição” no dia 11 de dezembro de 1998.

Atualmente com 90 anos, António Borges Coelho continua a dedicar-se aos estudos de história e à investigação de novas temáticas para a sua História de Portugal e está a preparar uma antologia dos seus poemas.

No ano passado foi distinguido com o Prémio da Universidade de Lisboa, tributo de consagração pelo trabalho que desenvolveu naquela instituição, e com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

António Borges Coelho já havia sido agraciado anteriormente com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’lago da Espada e com o Prémio da Fundação Internacional Racionalista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)