Rádio Observador

Startup Lisboa

Startup Lisboa procura projetos para residências partilhadas no Hub Criativo do Beato

As residências partilhadas serão de utilização temporária de curta ou média duração e vedadas a turismo e alojamento local. Apresentação dos projetos termina a 8 de setembro.

O projeto previsto para o Hub Criativo do Beato

A Startup Lisboa, entidade que gere o Hub Criativo do Beato (HBC), iniciou esta terça-feira o processo de seleção para encontrar o melhor projeto destinado à sua área de alojamento residencial partilhado (coliving). Os interessados deverão avisar a incubadora até 30 de junho e enviar as suas propostas até 8 de setembro, informou a Startup Lisboa em comunicado.

O espaço onde o projeto de habitação partilhada vai ser aplicado localiza-se na antiga Fábrica da Manutenção Militar, com uma área de cerca de 4.200 metros quadrados, e é designado por Edifício do Relógio/Antigo Convento. A habitação será para utilização temporária de curta ou média duração e não será utilizada nem para fins turísticos nem como alojamento local. O objetivo é que o projeto eleito esteja a funcionar até ao final de 2020.

O espaço onde o projeto de habitação partilhada vai ser aplicado localiza-se na antiga Fábrica da Manutenção Militar, com uma área de cerca de 4.200 metros quadrados

As propostas que a Startup Lisboa está à procura podem incluir “unidades de alojamento com tipologias diferentes e áreas com as características e equipamentos necessários à utilização comuns dos residentes, bem como a prestação de serviços acessórios ou conexos para apoio de uma comunidade de inovação e criatividade”, explicou a nota enviada pela incubadora portuguesa.

O concurso para esta área de coliving está dividido em duas fases: após o período de entrega das propostas é feita uma primeira avaliação das candidaturas, tendo por base os critérios de escolha como a qualidade do projeto, o preço ao cliente, a valorização do património e o perfil dos promotores. De seguida, as melhores propostas terão de fazer uma apresentação presencial a um júri e o vencedor passa à fase de negociação.

A cedência deste espaço, diz a Startup Lisboa, prevê que seja o próprio promotor a investir na “requalificação, implementação e gestão”, sendo o investimento “amortizado na renda mensal”. Depois de 20 anos de cedência, a utilização do espaço renova-se automaticamente por mais cinco anos até ao limite máximo de 30 anos.

A Startup Lisboa já reabilitou dois edifícios históricos para utilizar como espaços de trabalho e acolher empreendedores e startups nas áreas de tecnologia, comércio e turismo, e uma residência para empreendedores — a Casa Startup Lisboa. A incubadora já captou algumas empresas como a Factory Berlin, uma das maiores incubadoras europeias, a Mercedes-Benz, o grupo Super Bock e os escritórios da Web Summit.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)