Rádio Observador

Sibéria

Descoberta de um grupo de humanos anteriormente desconhecidos na Sibéria

275

Cientistas descobriram um novo grupo de humanos, os 'Antigos Paleo Siberianos', que habitavam no norte da Sibéria há 30 mil anos. Esta descoberta ajuda a perceber a origem dos nativo-americanos.

"Esta é a primeira evidência que temos, evidência real, de algo muito próximo geneticamente aos nativos americanos", disse Willerslev

JOÃO PEDRO PINCHA/OBSERVADOR

Numa pesquisa feita por cientistas na Rússia foi descoberto que há 30 mil anos havia humanos a habitar a Sibéria antiga, os ‘Antigos Paleo Siberianos’, com um ADN distinto dos eurasiáticos e dos asiáticos ocidentais. Os especialistas dizem que esta descoberta pode ajudar a resolver mistérios antigos sobre os antepassados dos nativos norte-americanos, conta o The Guardian.

Acredita-se que os antepassados dos norte-americanos chegaram da Euroásia através de uma ponte chamada Beringia, mas nunca se chegou a uma conclusão sobre a origem dessas populações.

Os especialistas revelaram à revista Nature que encontraram vestígios de 34 indivíduos localizados na zona nordeste da Sibéria e afirmaram que estes são datados de entre 31 mil até 600 anos.

Foi em 2001 que começaram as escavações em Yana Rhinoceros Horn, na Rússia e foi onde encontraram fragmentos de dentes de leite minúsculos de humanos do sexo masculino. Também encontraram partes de ossos e algumas ferramentas feitas em pedra. Estas evidências indiretas da existência de populações humanas no nordeste da Sibéria remontam a mais de 40 mil anos.

Os resultados do ADN destes indivíduos revelaram que faziam parte de um grupo anteriormente desconhecido e que eram geneticamente distintos tanto dos eurasiáticos ocidentais quanto dos asiáticos orientais. As pesquisas mostram que se separaram pouco depois dos eurasiáticos ocidentais e dos asiáticos orientais se tornaram geneticamente distintos.

Esta população não aparenta ser o ancestral direto dos nativos americanos

A análise sugere que a população que se tornou ancestral dos nativos norte-americanos foi o resultado de ligações de há 20 mil anos entre os asiáticos orientais, que viajaram para o norte, e um grupo distante dos siberianos setentrionais. Os asiáticos orientais também se misturaram com outros descendentes de antigos siberianos setentrionais para dar origem a outro grupo, que a equipa apelidou de ‘Antigos Paleo Siberianos’, que suplantaram os anteriores.

Os nativos americanos não são os primeiros no nordeste da Sibéria como a maioria das pessoas, se não todos, pensavam“, disse Willerslev, diretor do Centro de Geogenética da Fundação Lundbeck na Universidade de Copenhaga.

Acrescentou que o ADN recuperado no nordeste da Sibéria a partir do que se acredita ser um Paleo Siberiano antigo foi crucial para o trabalho. “Esta é a primeira evidência que temos, evidência real, de algo muito próximo geneticamente aos nativos americanos”, disse Willerslev.

A equipa de investigação acrescentou que há uma possibilidade de que uma mistura entre os asiáticos orientais tenha ocorrido no sul de Beringia — uma das áreas que poderiam ter oferecido descanso das condições adversas da época.

John Hoffecker, da Universidade do Colorado Boulder, que não esteve envolvido no estudo, elogiou a pesquisa, ao dizer que uma característica marcante do estudo é o facto de que os seres humanos há 30 mil anos se adaptarem muito bem no nordeste da Sibéria, mesmo em condições muito difíceis. “Essa é uma população bastante saudável”, disse. “Não fazíamos ideia há 30 anos que tínhamos uma população robusta e saudável de caçadores-coletores que prosperava no alto Ártico há 30 mil anos — é incrível.”

Hoffecker acrescentou que a presença do grupo sugere que foram as camadas de gelo na América do Norte, e não as condições hostis em Beringia, que impediram as pessoas de chegar às Américas mais cedo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)