Rádio Observador

México

México ratifica acordo comercial com EUA e Canadá na próxima semana

O Presidente do México assegura que o senado mexicano vai ratificar já na próxima semana o acordo comercial com os Estados Unidos e o Canadá. "É uma boa notícia para o México e para o mundo."

Jose Mendez/EPA

O Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, assegurou esta segunda-feira que o senado mexicano vai ratificar na próxima semana o acordo comercial com os Estados Unidos e o Canadá (T-MEC).

Posso assegurar que na próxima semana o senado mexicano vai ratificar o tratado de livre comércio”, disse Obrador, em conferência de imprensa, no palácio nacional.

O governante considerou que a ratificação do T-MEC, que substitui o Tratado de Livre Comercio da América do Norte (TLCAN), é “uma boa notícia para o México e para o mundo”.

A negociação para a modernização do TLCAN começou em agosto de 2017, tendo o acordo sido alcançado em novembro de 2018.

Recentemente, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou o México com tarifas sobre as importações, tendo sido, posteriormente, alcançado um acordo entre os dois países.

Na sexta-feira, Donald Trump disse que o acordo inclui elementos ainda não divulgados, enquanto o Governo mexicano evitou confirmar se se comprometeu a aumentar as suas importações agrícolas.

Numa série de publicações na rede social Twitter, o Presidente norte-americano defendeu o pacto migratório alcançado com o México, que levou à suspensão de taxas sobre todas as importações mexicanas, após o jornal The New York Times informar que alguns pontos do acordo já tinham sido decididos há alguns meses.

Antes, o México não estava a cooperar na fronteira, e agora tenho plena confiança, especialmente depois de conversar ontem com o seu Presidente, que vão cooperar muito e que querem fazer um bom trabalho”, escreveu Trump.

A embaixadora do México nos EUA, Martha Bárcena, explicou depois, em entrevista à cadeia televisiva CBS News, que na sexta-feira foi divulgada “uma declaração conjunta de princípios”, que servirá como base de trabalho a “seguir nos próximos meses em relação à migração”.

A representante diplomática salientou que o objetivo é reduzir o número de migrantes que chegam aos Estados Unidos para níveis de 2018, prevendo “resultados num período relativamente curto, de um mês ou mês e meio”, com a mobilização de 6.000 soldados da Guarda Nacional mexicana na fronteira com a Guatemala.

No mesmo dia, o Presidente do México já tinha reiterado, a propósito do mesmo acordo, “a vontade de amizade, diálogo e colaboração” com os Estados Unidos, ressalvando que “os compromissos são para cumprir”.

Se as duas partes não tivessem chegado a um acordo, as tarifas entrariam em vigor na segunda-feira, afetando todas as importações mexicanas, com taxas que poderiam alcançar os 25% até outubro.

No acordo, o México comprometeu-se a mobilizar 6.000 elementos da Guarda Nacional para controlar a sua fronteira com a Guatemala e a receber os que solicitam asilo nos Estados Unidos, até que os seus pedidos sejam processados pelos tribunais dos EUA.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)