Em Portugal, discute-se agora a proibição de deitar beatas de cigarro para o chão, o que levanta obviamente problemas de higiene. E se atirar fora restos de cigarros enquanto se caminha é mau, proceder da mesma forma enquanto se conduz eleva essa atitude a um novo patamar, especialmente se circulamos em estradas onde existe um risco de incêndio.

As acções de sensibilização têm um papel importante na educação dos habitantes, condutores ou não, mas recorrendo à velha técnica da cenoura e do pau, se a primeira não funcionar, raramente o segundo falha. Foi o que aconteceu a um condutor canadiano, que circulava numa auto-estrada nos arredores de Victoria.

Se até quando se infringe a lei é preciso ter sorte, o canadiano teve obviamente azar em relação ao momento que escolheu para se livrar da beata pela janela. Fê-lo à vista de um carro das autoridades, onde seguia nada menos do que o chefe da polícia local Del Manak. O agente ainda questionou o condutor em relação aos seus motivos, uma vez que o veículo estava equipado com cinzeiro, mas a resposta “não queria que o meu carro ardesse” deixou-o desconcertado. Daí que Manak, como escreveu no Twitter, tenha decido dar-lhe “575 razões para não voltar a atirar beatas acesas pela janela do carro”, tantas quanto os dólares canadianos (cerca de 382€) da multa.

Del Manak defende ainda que, em época de incêndios, é inaceitável este tipo de atitude, considerando que deve ser punida exemplarmente para que não se repita.

Se as penalizações previstas para o nosso país, na legislação que está a ser discutida no Parlamento, avançarem tal como está na proposta, atirar uma beata pela janela em Portugal pode implicar uma multa de 4.000€.