Rádio Observador

Estados Unidos da América

Patrick Shanahan desiste da nomeação para secretário de Defesa, por alegado caso de violência doméstica

Donald Trump ia nomear oficialmente Patrick Shanahan como secretário da Defesa, mas este desistiu após ser divulgado um caso de violência domésica contra a mulher com um taco de beisebol.

SHAWN THEW/EPA

Donald Trump anunciou esta terça-feira a desistência de Patrick Shanahan da nomeação para o cargo de secretário de Defesa dos Estados Unidos. O Presidente norte-americano informou no Twitter que Shanahan pretende “dedicar mais tempo à sua família” e, por isso, decidiu recuar.

Em maio, recorde-se, a Casa Branca tinha confirmado que Donald Trump iria nomear oficialmente Patrick Shanahan como secretário da Defesa dos Estados Unidos, depois de este ter assumido o cargo interinamente, após a saída de Jim Mattis em dezembro do ano passado. “Com base no seu serviço extraordinário ao país e a sua habilidade demonstrada para liderar, o Presidente Trump pretende nomear Patrick M. Shanahan para seu secretário da Defesa“, lia-se numa nota publicada na conta do Twitter de Sarah Sanders, assessora da Casa Branca.

Mas, conta CNBC, uma investigação do FBI ao passado de Shanahan estaria a atrasar este processo de nomeação. Na base estão dois casos de alegada violência familiar. Patrick Shanahan divulgou um comunicado esta terça-feira onde abordava o caso de violência doméstica em que esteve envolvido em 2010 com a sua ex-mulher. Ambos alegam terem sido agredidos um pelo outro. “Nunca levantei a mão à minha ex-mulher e cooperei totalmente numa investigação que resultou numa acusação contra ela por me ter agredido — acusação essa na qual eu desisti a pensar no melhor para a minha família”, escreveu.

Um segundo episódio de alegada violência familiar, conta o Washington Post, ocorreu em 2011, depois do divórcio do casal. De acordo com um comunicado de Kimberley Jordinson, William Shanahan, filho do casal, terá atacado a mãe quando tinha 17 anos, depois de esta o ter confrontado sobre um relacionamento que terá tido com a antiga ama de 36 anos. Segundo Jordinson, William atacou-a “brutalmente” com um taco de basebol.

Ainda segundo a reportagem, Patrick Shanahan defendeu o filho ao escrever um memorando onde alegava que o filho tinha agido em legítima defesa, um documento que era suposto ter sido lido apenas pelos advogados do filho. “Errei ao escrevê-lo. Nunca acreditei que aquilo que o Will fez à mãe tivesse sido em legítima defesa ou sequer justificável. A violência não é aceitável em nenhuma circunstância, e ainda menos aceitável é atacar alguém com um taco de basebol”, referiu em entrevista esta segunda-feira.

Trump anunciou também esta terça-feira que será Mark T. Esper, o atual secretário das Forças Armadas, a substituir Patrick Shanahan, não revelando, no entanto, quando é que vai ser nomeado oficialmente para o cargo. “Conheço o Mark e não tenho dúvidas de que irá fazer um trabalho fantástico”, escreveu o líder norte-americano.

(Artigo atualizado às 13h34 do dia 19 de junho com mais informações sobre os casos de alegada violência que envolvem Patrick Shanahan e a sua família. Neste caso, foi acrescentada a informação sobre uma alegada agressão do filho de Shanahan à sua mãe quando tinha 17 anos)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)