A medida foi aprovada esta terça-feira, 2 de julho, pelo parlamento austríaco que dá assim luz verde à total interdição do glifosato em todo o território do país. A Áustria torna-se o primeiro país da União Europeia a banir o perigoso herbicida, baseando a decisão num “princípio de precaução”.

A maioria dos deputados votou favoravelmente a proposta feita pelo partido social-democrata SPÖ, que pretendia afastar do mercado os produtos à base de glifosato, e que mereceu até o apoio do partido da extrema-direita FPÖ.

Classificado como “potencialmente cancerígeno” desde 2015 pela Organização Mundial de Saúde, o herbicida tem sido utilizado por diversas marcas, depois de a licença detida pelo gigante grupo americano Monsanto ter caído no domínio público no ano 2000.

Quanto à medida de uma interdição total, suscitou aceso debate ao longo de semanas na Áustria, com os opositores da proposta a frisarem que a mesma iria em sentido contrário ao da própria regulação europeia, já que a licença de utilização de glifosato na UE, renovada em 2017 pelo executivo europeu, se prolonga até 15 de dezembro de 2022.