A economia portuguesa fechou o primeiro trimestre com necessidade de financiamento de 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB), interrompendo a sucessão de saldos positivos registados desde o final de 2012, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Banco de Portugal.

No final de 2018, a economia portuguesa fechou com capacidade de financiamento de 0,4% do PIB.

Sobre a necessidade de financiamento registada no final do primeiro trimestre, na nota de informação estatística sobre contas financeiras nacionais, o banco central indica que esse resultado “reflete a necessidade de financiamento das sociedades não financeiras [empresas] e das administrações públicas”, que “excedeu a poupança financeira das sociedades financeiras e dos particulares”.

O facto de a economia portuguesa ter um património financeiro negativo significa que os agentes económicos não geram, em termos de ‘stocks’, poupanças suficientes para fazer face às necessidades.