Aviões de combate da Coreia do Sul advertiram um avião militar russos com tiros, depois de este ter violado o espaço aéreo do país esta terça-feira. Os russos sobrevoaram os rochedos de Liancourt.

Segundo o estado-maior sul-coreano, citado pela CNN, o jato russo invadiu o espaço aéreo na costa leste da Coreia duas vezes: às 9h09 e às 9h33 locais (1h09 e 1h33 em Lisboa) durnate três minutos primeiro e depois por mais quatro minutos. Os jatos de combate F-15F E KF-16 terão disparado em ambas, usando armamento de 20 mm, segundo informação divulgada pelo ministério da Defesa.

Os tiros em forma de advertência são vistos como algo “muito sério” e muito raro” pelo ex-diretor de operações do Centro de Inteligência do Comando do Pacífico do EUA. Para Carl Schuster, a ação significa que a Coreia considerou este um ato sério e deliberado.

O ministério da Defesa russo já veio negar a invasão do espaço aéreo, afirmando que não terá existido qualquer tentativa de contacto por parte dos pilotos sul-coreanos. O ministério considera que os jatos sul-coreanos realizaram manobras perigosas que ameaçaram o avião militar, cita a Reuters. A agência fala mesmo em centenas de tiros.

É a primeira vez que um avião russo viola o espaço aéreo sul-coreano, diz fonte do governo citado pela agência France-Press.

Este incidente entre russos e sul-coreanos não foi único na terça-feira. O estado-maior sul-coreano confirmou ainda que duas aeronaves chinesas entraram, às 6h44 e às 7h49 locais (22h44 e 23h44 de segunda-feira em Lisboa), na Zona de Identificação de Defesa Aérea da Coreia do Sul (KAZID). O estado-maior diz ainda que estas se terão juntado com aviões russos e os quatro entraram juntos no KADIZ perto das 8h40 (o0h44) e lá permaneceram por 24 minutos.

Este tipo de incidentes são pouco comuns, já que raramente se verificam conflitos entre a Rússia e a Coreia do Sul.

(notícia corrigida às 7h40 com o número de aviões russos; numa primeira versão estava erradamente escrito que tinham sido dois aviões russos alvos de tiros de aviso)