Rádio Observador

Moçambique

Organizações e embaixadores juntam-se em Lisboa para apoiar vitimas dos furacões em Moçambique

134

Uma dezena de embaixadores e responsáveis de instituições africanas juntaram-se para pintar uma tela que será leiloada para ajudar as vítimas dos ciclones que afetaram Moçambique.

João Relvas/LUSA

Cerca de uma dezena de embaixadores e responsáveis de instituições africanas juntaram-se este sábado, em Lisboa, para pintar uma tela que será leiloada e cujos lucros vão reverter a favor das vítimas dos ciclones Idai e Kenneth, que afetaram Moçambique.

A iniciativa, da responsabilidade da Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana (PADEMA), contou com a presença das embaixadoras da Argélia em Lisboa, Fatiha Selmane, Suécia, Helena Pilsen, Austrália, Claire Rochecouste, do embaixador da Guiné Equatorial, Tito MBA, entre outros.

Esta ação “visa, sobretudo, apoiar as moçambicanas e moçambicanos vitimas dos ciclones Idai e Kenneth. Quisemos também aproveitar o facto de celebrarmos o Dia da Mulher Africana em 31 de julho para juntar o que é essencial nas culturas africanas – a solidariedade e a cultura”, afirmou, em declarações à Lusa, a presidente da Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana (PADEMA), Luzia Moniz.

A responsável notou que o “desregulamento do planeta” é um problema que afeta todos, sem exceção, lamentando que “muitos Governos irresponsáveis rompam os tratados de Quito e Paris, como quem rasga a carta de um namorado”.

Luzia Moniz sublinhou ainda que é “preciso cuidar a terra”, pois, como diz um provérbio africano, “a terra não é uma oferta dos nossos pais, mas um empréstimo aos nossos filhos”.

Durante a cerimónia, os embaixadores e responsáveis de algumas instituições africanas ajudaram a pintar uma tela, da autoria da artista plástica Dilia Fraguito Samarth, que, posteriormente, será leiloada e cujos lucros vão reverter a favor das vítimas dos ciclones que recentemente afetaram Moçambique.

“Não definimos ainda [uma base de licitação], mas estou em crer que vão aparecer mecenas generosos e solidários que vão conseguir ultrapassar todas as nossas expectativas”, apontou.

De acordo com a artista responsável, a obra pretende representar “um furacão”, mas também vida, através de algumas plantas, flores e de alusões aos países africanos.

“Não foi simples chegar a esta conclusão. É uma situação tão violenta que, ao início, pensei em [apresentar no quadro] o drama humano, mas depois achei que a realidade já chegava. A principal ideia foi o furacão. A primeira pincelada [deu origem] a uma circular, uma espiral, pois o furacão tem esse movimento e, ao mesmo tempo, também simboliza a vida”, explicou à Lusa, Dilia Fraguito Samarth.

A artista indicou ainda que de fora da obra ficaram representações de homens e animais, para não correr o risco de excluir alguém.

Já no que se refere às cores utilizadas, “o preto significa o continente africano, o amarelo a riqueza e o vermelho o sangue e a luta”, referiu.

Presente na cerimónia esteve também a secretária da Organização da Mulher Moçambicana em Lisboa que agradeceu todo o apoio que tem sido dado pelas diversas instituições ao povo daquele país.

“Muitas pessoas abraçaram esta causa e apoiaram o povo Moçambicano. Nós estamos agora num processo de reconstrução […] e esperamos, um dia, ultrapassar estes momentos difíceis”, disse Ana Massamba.

Em março, o ciclone Kenneth atingiu a província de Cabo Delgado, em Moçambique, afetando mais de 168 mil pessoas e destruindo quase 35 mil casas e vários milhares de culturas.

Um mês antes, Moçambique tinha sido afetado pelo ciclone Idai, que provocou centenas de mortos e deixou cerca de 1,85 milhões de pessoas a precisar de ajuda.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)