Rádio Observador

Mazda

CX-30. Este vai ser o SUV mais vendido da Mazda

129

O novo CX-30 da Mazda é um SUV que promete fazer a diferença, dentro e fora da gama do construtor japonês. Consegue ser mais ágil e ter mais ar de SUV, com preços competitivos e um motor inovador.

Os SUV são os carros da moda no mercado europeu – e Portugal não é excepção –, o que levou a Mazda a reforçar a oferta, aliando aos já conhecidos CX-3 e CX-5, um novo CX-30, um veículo que complementa a oferta, imiscuindo-se entre ambos. Mas o novo SUV, descrito pela marca japonesa como crossover, como os restantes, esgrime uma série de argumentos que prometem torná-lo num adversário difícil de combater, não só dentro da gama da Mazda, como face à concorrência.

A estética continua a ser um dos maiores trunfos desta marca nipónica, o que não deixa de ser curioso, uma vez que os japoneses e o bom gosto europeu raramente andam de mãos dadas. Mas não é esse o caso do CX-30, com o fabricante a avançar com a tradicional grelha da casa, agora ligeiramente distinta e para melhor, a que alia faróis mais rasgados e LED.

De fita métrica em punho, é fácil perceber que o CX-30 se situa na gama de SUV entre o CX-3 (12 cm mais curto) e o CX-5 (16 cm mais comprido), o mesmo acontecendo na largura (CX-3 menos 3 cm e CX-5 mais 5 cm). Onde o posicionamento começa a surpreender é na altura, com o CX-30 a assumir-se consideravelmente mais baixo, sem que a altura ao solo sofra exageradamente. Comparado com o CX-3, o novo CX-30 tem praticamente a mesma altura (apenas mais 0,5 cm), para em relação ao CX-5 ser 13 cm mais baixo. Como se este argumento não bastasse, o CX-30 oferece ainda uma distância entre eixos que o aproxima mais do CX-5 (tem apenas mais 4,5 cm) do que do CX-3 (menos 8,5 cm), o que tudo junto faz parecer o SUV mais recente da Mazda mais ágil e mais dinâmico, ao ser menos volumoso e com óbvias vantagens em termos aerodinâmicos e de eficácia de comportamento.

Afinal é mais ou menos SUV?

A resposta é curta e grossa: o CX-30 é mais SUV do que os seus “irmãos”. É certo que a menor altura da carroçaria fá-lo-ia parecer potencialmente menos musculado, característica inerente aos Sport Utility Vehicles, mas os estilistas da Mazda deram um jeito para lhe reforçar o carácter recorrendo a outros argumentos. Assim, o CX-30 exibe uma mais que generosa protecção inferior lateral de chassi, que não só o protege dos riscos, como o faz parecer capaz de ir até ao fim do mundo e voltar.

Para reforçar a sensação, nos guarda-lamas surgem protecções plásticas, que também elas são maiores do que o habitual. Mais uma vez, conferindo ao modelo um ar mais robusto. Por outro lado, a Mazda incrementou as curvas na carroçaria, mais nos painéis laterais do que no capot, para que o novo Cx-30 tenha um aspecto mais sofisticado e atraente. E nem o pilar traseiro mais inclinado, tipo coupé, destinado a salientar a imagem mais desportiva, belisca a imagem SUV do modelo.

Como é por dentro?

Uma vez sentado ao volante, torna-se óbvio que o CX-30 partilha alguns conceitos com o também novo Mazda 3, mas eleva-o a um outro patamar. O espaço é bom, mesmo para quem vai atrás, sem que a altura se ressinta por se tratar de um SUV menos alto. Os bancos da frente são envolventes e suportam bem o corpo, garantindo o construtor que acomodam todo o tipo de estatura, mantendo visíveis a instrumentação que o condutor necessita de consultar amiúde.

Destaque para o head-up display, a cores e projectado no pára-brisas, que nos pareceu legível e funcional, reforçado pelo painel de instrumentos em posição correcta, com o ecrã central a fornecer as informações adicionais, a começar pelo sistema de navegação.

Se o espaço no habitáculo é bom, para este SUV que vai disputar o segmento mais importante do mercado (C), onde já se batem o Nissan Qashqai, o Volkswagen Tiguan e o Peugeot 3008, a bagageira disponibiliza 430 kg. Ou seja, a mesma do Qashqai – um valor interessante, mas sem ser recorde da classe.

Como é ao volante?

A principal diferença do CX-30 para seus colegas de marca, CX-3 e CX-5, prende-se com a agilidade e o dinamismo. A menor altura e a generosa distância entre eixos (2,655 m) faz maravilhas ao comportamento em estrada. Começámos por conduzir o novo SUV em auto-estrada e, desde logo, tornou-se evidente a ausência de ruídos aerodinâmicos, para o que contribui o facto de se tratar de um modelo mais alto do que os automóveis ligeiros, mas não tão volumoso quanto os SUV convencionais.

Em estrada, o CX-30 confirmou que está mais próximo dos automóveis do que dos SUV em comportamento, sentindo-se menos as transferências de massas, tanto a curvar como a travar. Como acontece com os outros SUV da marca à venda na Europa, o novo modelo está disponível na versão com tracção à frente e, em alternativa, com tracção integral, recorrendo aí ao sistema i-Activ AWD, que a Mazda garante elevar o consumo em apenas 3% face à versão que coloca a potência no solo apenas através do eixo da frente.

A lista de equipamento disponível aumentou, com destaque para as luzes adaptativas por LED, o cross traffic alert tanto à frente como na traseira, o cruise control adaptativo e o driver monitoring, que vê se o condutor está cansado ou sonolento.

Que motores tem e quando chega?

O novo CX-30 monta o já conhecido 2.0 Skyactiv-G a gasolina, uma unidade atmosférica mild hybrid que garante 122 cv , prometendo ser a mecânica mais acessível deste modelo. Capaz de atingir 186 km/h e os 100 km/h em 10,6 segundos, o CX-30 equipado com este motor vai chegar ao nosso país em Setembro, sendo proposto por 28.000€. Um valor convidativo se pensarmos que o CX-3 é proposto por apenas menos 2.000€.

Se a sua preferência favorecer os motores turbodiesel, a Mazda preparou o 1.8 Skyactiv-D, com 116 cv, que anuncia 183 km/h e 0-100 km/h em 10,8 segundos. Não se conhece ainda o preço desta versão, sabendo-se apenas que será ligeiramente mais caro do que a versão a gasolina, sendo que a sua entrada no mercado nacional ocorrerá também em Setembro.

Ligeiramente mais tarde, surgirá no nosso país a versão do CX-30 equipada com o Skyactiv-X, o motor a gasolina que esgrime os argumentos de um diesel. Com 180 cv, esta unidade promete andar mais e gastar menos, mas para termos acesso aos dados concretos vamos ter de esperar que a marca termine as homologações de acordo com o WLTP. Contudo, o novo CX-30 promete ser um adversário duro de roer, para começar internamente. É mais agradável de conduzir, fruto de um comportamento mais eficaz, tem um aspecto mais dinâmico, oferece um motor inovador e, como se isto não bastasse, é pouco mais caro do que o CX-3.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)