Rádio Observador

Direito de resposta

Direito de Resposta da IURD à entrevista a Rosa Cullell, CEO da Media Capital

A IURD fez chegar ao Observador um direito de resposta ao artigo "Rosa Cullell em entrevista após o anúncio de saída da TVI: 'O segundo lugar às vezes faz bem'", publicado a 12 de julho.

Na sequência de entrevista a Rosa Cullel, publicada pelo Observador a 12 de julho com o título “Rosa Cullell em entrevista após o anúncio de saída da TVI: ‘O segundo lugar às vezes faz bem'”, recebemos da IURD o seguinte Direito de Resposta que publicamos ao abrigo da Lei:

“No passado dia 12 de julho de 2019, foi transmitido no programa radiofónico e publicado no Observador, uma entrevista à CEO da Media Capital, Rosa Cullell, a qual versou sobre a venda da TVI. No decurso da entrevista, os jornalistas Judite França e Ricardo Conceição, questionaram qual seria a opinião da entrevistada sobre a investigação da IURD e sobre o despacho de arquivamento proferido pelo Ministério Público ao processo-crime que investigava a existência de uma alegada rede ilegal de adoção de crianças. 

Em resposta ao questionado pelos jornalistas, mais concretamente aos minutos 12:26 a 14:05 Rosa Cullell assevera o seguinte: “Eu acho que a IURD normalmente é uma igreja no Brasil. Aqui, seguramente, ainda não. Ainda não é igreja. É uma seita, um grupo, uma associação seguramente. Uma religião destas que ainda não são igreja. Mas imagino que se calhar vai ser. Mas no Brasil é igreja e tem muito poder no Brasil. Tem poder entre as pessoas, tem muitos seguidores e aliados politicos e tem uma importância no Brasil que é além da religião. Também a igreja católica numa altura teve esse poder (…). Eu acho que é uma resposta de poderosos.”

Na verdade, a resposta da entrevistada pretende criar a ideia de que no sobejamente conhecido inquérito-crime à alegada rede de adoções ilegais, havia sido proferido despacho de arquivamento pelo facto de a IURD deter poder entre as pessoas e influenciadores politicos, o que não corresponde à verdade, 

A IURD é uma pessoa coletiva religiosa, estando inscrita em Portugal desde 1990, com o n.o 121 do Registo Nacional de Pessoas Coletivas Religiosas, não sendo nenhuma seita, antes é das Igrejas com uma postura mais transparente, entregando as suas contas ao Estado Português. 

Entendemos que o asseverado pela entrevistada Rosa Cullell, por ser manifestamente infundado, atingiu de forma inaceitável a reputação da IURD e o notável trabalho que a nossa instituição tem vindo a desenvolver junto da comunidade. 

Dada a natureza e gravidade deste ataque, vimos ao abrigo do disposto nos artigos 59.9, n.o 1 e 61.o, n.o 1 da Lei n.° 54/2010, de 24 de dezembro (“Lei da Rádio”) e artigos 24.0, n.o 1 e 25.”, n.o 1 da Lei n.° 2/99, de 13 de janeiro (“Lei da Imprensa”), apresentar junto de V. Exa. conteúdo do texto de resposta, que deverá ser transmitida no programa radiofónico do Observador e publicado na edição online do Observador, de acordo com o disposto no artigo 63.o da Lei da Rádio e artigo 26.9, n.3 da Lei da Imprensa, respetivamente.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)