Rádio Observador

Fernando Pessoa

Livro que pertenceu a Fernando Pessoa à venda em site de leilões

"George Bernard Shaw", de Gilbert K. Chesterton, pertenceu à biblioteca particular do poeta e encontra-se agora à venda na BestNet Leilões. Exemplar, assinado e sublinhado, não está catalogado.

O espólio de Fernando Pessoa foi classificado como bem de interesse nacional em 2009

Um livro que pertenceu à biblioteca particular de Fernando Pessoa foi colocado à venda na leiloeira BestNet Leilões, que funciona apenas online. O leilão n.º 2291 só termina na segunda semana de setembro, mas o valor de licitação de George Bernard Shaw já ultrapassou os 500 euros. Este exemplar não se encontra catalogado, à semelhança das três obras adquiridas em julho pela Câmara Municipal de Lisboa e que estavam na posse da família do poeta.

Tal como a maioria das obras que pertenceram a Pessoa, o livro sobre o dramaturgo irlandês George Bernard Shaw, da autoria do escritor e crítico inglês Gilbert K. Chesterton, está assinado (“Fernando Pessoa”), datado (novembro de 1915), sublinhado e anotado, segundo a informação disponibilizada pela leiloeira. A edição do ensaio, publicado originalmente em 1909, é de 1914.

Este é uma das várias obras de Chesterton que Fernando Pessoa tinha em sua posse quando morreu em 1935, e que passaram para os seus familiares mais próximos, que têm ainda à guarda parte da sua biblioteca. De acordo com a catalogação feita entre 2008 e 2010, no âmbito de uma colaboração entre a Casa Fernando Pessoa e a Universidade de Lisboa, Pessoa tinha outros cinco livros de Gilbert K. Chesterton, incluindo uma edição, também de 1914 de The Victorian Age in Literature. A biblioteca do poeta português era sobretudo composta por títulos em inglês, um reflexo da educação que Pessoa recebeu na África do Sul, onde viveu até aos 17 anos.

Porém, e ao contrário destes cinco exemplares, o que se encontra agora à venda na BestNet Leilões não está catalogado. Três livros vendidos durante um leilão organizado pela José F. Vicente Leilões, de Lisboa, em junho passado, encontravam-se na mesma situação. Estes acabaram por ser adquiridos pela Câmara Municipal de Lisboa, que exerceu o seu direito de preferência sobre os itens classificados. Segundo o estabelecido pelo decreto que procedeu à classificação do espólio de Fernando Pessoa, a sua biblioteca particular é um bem de interesse nacional.

Na altura, o Observador tentou perceber como é que, vários anos depois de a biblioteca particular de Pessoa ter sido alegadamente catalogada, digitalizada e disponibilizada online na sua totalidade, aparecem no mercado livreiro exemplares cuja existência não era conhecida pela Casa Fernando Pessoa, que tem um elevado número de livros que foram do poeta em sua posse. “Não estamos em condições de responder por livros que então não foram localizados”, respondeu o organismo com sede na última morada do escritor, em Campo de Ourique.

A par de George Bernard Shaw, a BestNet Leilões tem também para venda no seu site sete de negativos de retratos de Fernando Pessoa. Segundo a leiloeira, tratam-se de “cópias antigas” feitas “a partir de provas originais”. A licitação termina também em setembro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)