Rádio Observador

PSD

Rui Rio desafia governo a “assumir derrota” na mediação para o fim da greve dos motoristas

550

Esta manhã no Palácio da Justiça, no Porto, foi altura de entregar as listas do PSD para as legislativas de outubro. Mas o momento político levou Rui Rio a tecer duras críticas ao governo.

Rui Rio é o número dois pelas listas do PSD no Porto para as legislativas de outubro, atrás de Hugo Carvalho

Joana Ascensão/OBSERVADOR

Rui Rio desafia o governo a assumir “uma grande derrota” na mediação entre sindicatos e entidades patronais para o fim da segunda greve dos motoristas de matérias perigosas. Apesar de assumir que, “quando alguém vai fazer uma mediação destas, ela não é fácil e pode falhar”, o líder do PSD considera que o governo e, em particular, o ministro Pedro Nuno Santos “merece que se aponte o dedo a dizer que falhou porque em abril, por alturas da Páscoa, juntou os sindicatos e as entidades patronais, disse que resolveu o assunto e que teve uma grande vitória. Se afinal não resolveu nada, assuma agora que teve uma grande derrota”.

Quanto à terceira greve dos motoristas, decretada esta segunda-feira para a primeira semana de setembro e afeta apenas às horas extraordinárias, aos feriados e aos fins-de-semana, o líder do PSD questiona “a lógica de marcar serviços mínimos”.

Se [os serviços mínimos] tiverem de ser marcados porque oito horas de trabalho de 100% dos trabalhadores não chegam, algo não está bem. Se o serviço não for feito na sua plenitude, nós percebemos que estes profissionais, em média, trabalham 10, 12 ou 13 horas por dia. Isto não é aceitável para nenhum profissional; isto é menos aceitável para quem anda na estrada a conduzir; isto é menos aceitável para quem conduz carros pesados; e ainda menos aceitável para quem conduz carros pesados carregados de gasolina.”

Rui Rio entregou formalmente na manhã desta quinta-feira as listas do PSD para as eleições legislativas no Porto. No Palácio da Justiça, em plena baixa da cidade, Rio, que será o número dois, fez-se acompanhar dos restantes nomes da lista, tendo sempre por perto Hugo Carvalho, a jovem aposta do partido, de 28 anos, escolhido para encabeçar a lista do Porto.

Rui Rio centrou as críticas à atuação do governo nos últimos quatro anos na “péssima gestão das contas públicas”, agudizada por um “aumento dos impostos como nunca se aumentou em Portugal”, ao mesmo tempo que se “degradou os serviços públicos”. No final, acusou o governo de fazer “pior com mais dinheiro”.

Se pagamos mais impostos, deveríamos ter melhores serviços. Não. Pagamos mais impostos e temos piores serviços. Bom, então os salários, particularmente os da função pública, deveriam ser elevadíssimos. Também não é o caso. Isto significa uma péssima gestão. Com mais dinheiro fazem pior.”

Apesar de considerar benéfico o aumento do salário mínimo conseguido por este executivo, o líder social democrata julga que o governo não preparará, daqui para a frente, o país no que toca ao aumento dos salários, já que, diz, não basta aumentar o salário mínimo se o médio não lhe seguir o rasto.

Para Rui Rio, “uma solução política assente no Bloco de Esquerda e no Partido Comunista não permite e nunca permitirá uma economia apoiada nas exportações, no investimento e na competitividade”. Mantendo-se esta solução política a governar, então “temos de nos contentar com isto: uns trocos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jascensao@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral
292

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)