Rádio Observador

António Costa

Costa quer transformar a riqueza do interior em “riqueza nacional”

3.514

O secretário-geral do PS, António Costa, destacou a "imensa riqueza local" existente no país ao longo da Estrada Nacional (EN) 2 e que deve ser valorizada e transformada "em riqueza nacional".

LUÍS FORRA/LUSA

Autores
  • Agência Lusa

É a segunda jornada de uma viagem ao longo da Estrada Nacional 2, que não tem percurso nem rota definida, mas que serve para aquecer os motores para a campanha eleitoral de setembro. António Costa voltou a falar das riquezas que há no interior e é necessário transformar em riquezas nacionais.

A “mensagem fundamental que eu quero transmitir neste meu percurso pela Nacional 2 é que, quando falamos muito de interior, temos que olhar para este interior e ver o que é que temos aqui (…) e o que podemos fazer (…) para acrescentar valor ao todo nacional” e “a cada um dos territórios e às gentes que ocupam estes territórios”, afirmou Costa.

O secretário-geral do PS, que falava aos jornalistas em Alcáçovas, no concelho de Viana do Alentejo (Évora), em mais um “ponto de paragem” do seu roteiro peça EN2, frisou que o que tem visto neste percurso é que existe “imensa riqueza local” que o país pode “transformar em riqueza nacional”.

“Aquilo que eu quero mostrar é que há muito aqui para valorizar” no interior “e que é possível, de facto, desde que tenhamos as políticas certas, a organização certa, os objetivos certos, levar o país para a frente e valorizar estes territórios”, argumentou.

O secretário-geral do PS e também primeiro-ministro falava aos jornalistas depois de visitar o Paço dos Henriques, que foi alvo de um projeto de recuperação e requalificação, num investimento de cerca de 1,7 milhões euros, com apoios comunitários, reabrindo em 2016.

Fundado no século XIII, o paço serviu de residência real e foi palco de casamentos reais e da assinatura do Tratado de Alcáçovas em 1479, entre D. João II e os reis católicos, pondo fim à Guerra de Sucessão de Castela.

Nesta “paragem” em Alcáçovas, António Costa recusou abordar política nacional com os jornalistas. Depois de ouvir cante alentejano e de carimbar o seu passaporte da EN2, juntamente com a esposa, para “imortalizar” a passagem pelo quilómetro 551 em Alcáçovas, Costa percorreu as diversas salas do Paço dos Henriques e visitou uma exposição alusiva ao fabrico artesanal de chocalhos, cujo epicentro nacional é nesta vila alentejana.

A arte chocalheira, classificada como Património Cultural Imaterial na lista dos bens com Necessidade de Salvaguarda Urgente pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) foi um dos exemplos apontados pelo líder socialista das riquezas existentes no interior.

“Aqui vimos a arte chocalheira” e, antes de chegar a este concelho, “tive a oportunidade de visitar as minas” em Aljustrel e “de ver um extraordinário património natural que é a estrada entre S. Brás de Alportel (Faro) e Almodôvar (Beja), que é a única estrada classificada como património neste troço”, enquanto, na “semana passada, no norte, tinha visto a riqueza extraordinária que são a termas no caso de Chaves”, indicou.

Por isso, “há uma enorme riqueza que o país tem e na qual” se tem “que apostar efetivamente para valorizar e transformar estas terras”, insistiu o secretário-geral do PS.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)