Rádio Observador

Justiça

Maurice foi primeiro galo do mundo a ganhar um processo em tribunal

728

Galo era acusado de cantar às 4h pelos vizinhos recém-chegados de uma zona metropolitana francesa. Oficial classificou o canto como "meramente audível" e os acusados terão de pagar mil euros à dona.

Corinne Fasseau e o galo Maurice no jardim da sua casa em Saint-Pierre d’Oleron

AFP/Getty Images

Maurice, o galo francês que ganhou fama em junho deste ano por ser o primeiro a ser processado no mundo, saiu nesta quinta-feira vitorioso do tribunal na aldeia de Saint-Pierre d’Oleron, avançou a AFP.

A batalha legal entre Corinne Fasseau – a dona de Maurice – e os vizinhos Jean-Louis e Joelle Biron, que levaram o galo a tribunal por cantar cedo demais e atrapalhar o sono do casal reformado, tornou-se notícia internacional depois de os críticos descreverem o caso como sintomático da tensão a cidade e o campo, algo intrínseco à sociedade francesa.

Fasseau lutava pelo direito de o galo ser livre para cantar à hora que quisesse, mas os recém-compradores de uma casa de férias ao lado da dela não estavam prontos para lidar com aqueles sons, já que vinham de uma região central e metropolitana. Agora, o advogado da dona de Maurice disse que o Tribunal de Rochefort decidiu que “os acusadores terão de a pagar mil euros pelos danos”.

Moradores da aldeia contaram à AFP que nunca ninguém tinha reclamado do canto matinal de Maurice, até este casal se mudar para ali. Mas o advogado dos Birons rejeitou a questão como uma batalha entre “bobos” (expressão francesa utilizada para denominar moradores de grandes cidades que deriva da junção das palavras “bourgeois bohemians”, burgueses boémios, em português) e habitantes do campo.

Jean-Louis e Joelle alegaram que estavam a ser acordados todos os dias às 4h da manhã por Maurice, ao que Fasseau respondeu fazendo diversas tentativas para o calar: chegou a tapar os galinheiros com lençóis pretos para evitar que o galo visse a luz do dia e assim cantasse, mas todos os esforços foram em vão.

Um oficial do tribunal foi escalado durante três noites para dormir na casa de Fasseau e apurar os hábitos sonoros do galo, nomeadamente os horários e nível dos cantos. E concluiu que Maurice cantava “intermitentemente” entre as 6h30 e 7h da manhã, e não a partir das 4h, além de classificar o som como “meramente audível”, enfatizando que o casal deveria ter fechado as janelas para dormir. O tribunal repreendeu os Birons por alimentarem um caso “frívolo” e não tentarem resolver de modo amigável.

“[A decisão] é uma vitória para todos na mesma situação que eu eu. Espero que isto estabeleça um precedente”, disse Fasseau, pedindo a criação da “lei Maurice” para salvaguardar os sons do interior. “Cocoricó!”, cantou ela ao comemorar.

Maurice tornou-se internacionalmente conhecido depois de uma petição com 140 mil assinaturas a defender a sua causa, além de mobilizar diversas pessoas que utilizaram tshirts com a frase “Let me sing” (“deixem-me cantar”, em português).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)