A grande maioria dos estudos de opinião, sondagens e análises levadas a cabo pelos media francês apontam no mesmo sentido — Marine Le Pen tem o mesmo peso junto dos eleitores que Emannuel Macron.

As próximas eleições serão só na primavera de 2022, mas o panorama político francês parece dominado por estes dois intervenientes. A mais recente sondagem, divulgada no dia 3 de novembro, revela um empate entre Macron e Marine Le Pen a 27% ou 28% das intenções de voto, segundo o Le Journal du Dimanche. O que aponta para uma repetição da segunda volta das presidenciais de 2017, em que o atual presidente derrotou a extrema-direita com sensivelmente 66% dos votos.

A sondagem faz também uma previsão para a segunda volta, que adivinha uma lenta mas considerável ascensão de Le Pen na opinião pública, face a uma estagnação de Macron. O semanário francês escreve que caso se dê esta nova segunda volta, o resultado deve fixar-se perto dos 55% versus 45%, a favor da reeleição.

Estas são apenas sondagens e, naturalmente, esperam-se algumas mudanças, mas especialistas como o politólogo Alain Duhamel não acreditam em alterações drásticas. “Não é provável um triunfo de Le Pen, mas é possível pela primeira vez na história”, disse ao ABC.

Este estudo permite também confirmar uma diluição histórica de socialistas, conservadores, centristas e comunistas tradicionais em dois blocos apoiados em Emmanuel Macron e Marine Le Pen. Os restantes prováveis candidatos situar-se-iam muito atrás com o socialista Oliver Faure a recolher entre 2,5% a 3% dos votos, com Yannick Jadot, líder ecologista a situar-se algures entre os 7,5% e os 9%, com o conservador  Xavier Bertrand nos 10% e o líder de extrema esquerda Jean-Luc Mélenchon a conseguir 11% das intenções de voto.