O PCP quer ouvir o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, com caráter de urgência no Parlamento a propósito falta de trabalhadores na escola pública que tem motivado uma série de fechos de escolas desde o início do ano letivo, em setembro.

No pedido de audição, entregue esta quinta-feira no Parlamento, os comunistas pedem igualmente que seja chamada a Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais à comissão de Educação e Ciência para que sejam ouvidos em sede parlamentar.

No pedido o PCP afirma que há “muitos exemplos” de escolas com “dificuldades de pessoal a serem resolvidas tardiamente ou a ficarem, quase por completo, por resolver”, acrescentando que é “preciso ir mais longe” de forma a “garantindo a todas as escolas o número de trabalhadores adequado às suas características e especificidades” o que, frisa, “não está a acontecer hoje”.

Os comunistas afirmam que “é cada vez mais evidente que a revista portaria dos rácios não responde na medida necessária às especificidades de cada escola” e que os fechos de serviços nas escolas — como bibliotecas, centros de recursos ou reprografias — são reflexo disso mesmo.

Mais tarde também o Bloco de Esquerda apresentou um requerimento à comissão de Educação, Ciência, Juventude e Desporto do parlamento, para ouvir com urgência Tiago Brandão Rodrigues.

Os dois requerimentos serão votadas numa das próximas reuniões da comissão de Educação.

Notícia atualizada às 18h05 com requerimento do Bloco de Esquerda