No dia em que, em Estrasburgo, o Parlamento Europeu vota a composição da nova Comissão Europeia, a secretária de Estado dos Assuntos Europeus apresentou-se otimista no Direto ao Assunto da Rádio Observador. “O facto de se ter encontrado esta solução de pacote, que foi uma solução de compromisso, que demorou horas infindas naquele Conselho Europeu de 2 de julho, dá estabilidade. Esta nova Comissão tem uma presidente no centro, à sua volta um conjunto de comissários fortes, que representam também os grandes dossiers que ela quer levar para a frente”, garantiu Ana Paula Zacarias, salientando depois os que considera as três grandes prioridades da Comissão de Ursula von der Leyen: clima, assuntos digitais e economia.

Questionada sobre a inexistência de uma política europeia comum de imigração, a secretária de Estado dos Assuntos Europeus defendeu ainda a necessidade de criar novos canais de migração legais, reconhecendo que “o continente europeu está envelhecido e precisa de gente jovem para trabalhar”. Ainda que admitindo que o consenso neste domínio deverá ser “difícil” de alcançar, Ana Paula Zacarias foi perentória: “Terá que encontrar-se uma solução”. “Se precisamos de pessoas, elas têm de entrar; se têm de entrar, nós temos de ajustar e de as receber da melhor maneira possível; e temos de, ao mesmo tempo, trabalhar com os países de migração e os países de trânsito e os países de origem dos migrantes, porque ninguém emigra porque lhe apetece, as pessoas emigram pelas grandes dificuldades que sentem nos seus países”, argumentando.

“A relação com o Reino Unido tem de ser mantida”

Sobre o Brexit, a secretária de Estado não se alongou, preferindo “esperar para ver” o que acontece nas eleições do próximo dia 12 de dezembro: “O que importa é que a relação com o Reino Unido tem de ser mantida depois de tudo isto; depois do divórcio tem de haver uma renovação dos laços de proximidade”.

Ouça aqui as declarações na íntegra de Ana Paula Zacarias.