Ao Observador, o presidente da Assembleia da República recusa-se a “alimentar qualquer polémica” com André Ventura e justifica a sua intervenção esta tarde com o facto de já não ser a primeira vez que o deputado do Chega “qualificou de vergonhosa ou insinuou tal, referindo-se à atividade da Assembleia da República”. “Se voltar a fazê-lo será novamente repreendido”, garante Eduardo Ferro Rodrigues.

O socialista distingue o uso da expressão “vergonha” por André Ventura e o recurso que se seguiu à mesma palavra por parte de Joana Mortágua, do BE — o que foi notado por Ventura na conferência de imprensa. “A deputada não qualificou nem insinuou como sendo vergonhosa a atividade de nenhum órgão de soberania”, argumenta o presidente da Assembleia da República referindo-se à intervenção da bloquista sobre a proibição do uso de amianto em edifícios públicos.

No plenário, quando Ferro repreendeu Ventura, o deputado do Chega estava a qualificar de “vergonhoso” o plano apresentado pelo Governo no dia anterior para a saúde. Já quando o mesmo deputado pediu a defesa da honra, depois da chamada de atenção de Ferro, referiu ser “uma vergonha” e “vergonhoso o que se está a passar no Parlamento”. Foi nesse momento que o presidente da Assembleia da República lhe cortou a palavra — outro motivo de queixa para o deputado do Chega que garante não estar a aproveitar esta repreensão para se vitimizar publicamente, quando questionado sobre este assunto.

[Vídeo. Quantas vezes usou Ventura a palavra “vergonha”?]

Questionado sobre o pedido de desculpa exigido pelo deputado do Chega e pela audiência que requereu ao Presidente da República, Ferro não respondeu. Apenas diz que não se sente “acusado” pelo deputado.

Esta tarde o Presidente da Assembleia da República não se ficou por um aviso ao deputado do Chega, já que isso aconteceu por mais duas vezes na mesma tarde, já depois da conferência de imprensa de André Ventura a queixar-se de Ferro.