São grandes os desafios de Moçambique. Mas as iniciativas de desenvolvimento acompanham esta energia crescente. Exemplo digno de nota é a Girl Move Academy, uma Academia de Liderança que promove todos os anos a formação, o desenvolvimento pessoal e a carreira de jovens moçambicanas licenciadas.

Criada por dois portugueses, a Girl Move Academy tem como objetivo a quebra do ciclo de pobreza em Moçambique. Para esta organização, a mulher tem um papel preponderante na construção de um mundo melhor. Por isso, focando a sua atuação na criação de valor para toda a população e acreditando que uma rapariga com educação é capaz de mudar a sua família, a sua comunidade e o seu país, a Girl Move Academy aposta no poder multiplicador de cada mulher.

Tudo acontece segundo um modelo inovador de mentoria em cascata — que só este ano já impactou mais de 1200 raparigas. Depois, a organização promove um círculo virtuoso de transformação positiva e criação de valor. E vem mudando o paradigma da falta de oportunidades para as mulheres moçambicanas através de uma metodologia assente em três programas que funcionam em cascata:

– CHANGE: Todos os anos cerca de 40 jovens licenciadas — as changemakers — recebem formação de excelência em liderança e empreendedorismo social que as capacita para serem agentes de desenvolvimento.

– LEAD: Cerca de 100 jovens universitárias, com perfil de liderança, são mentoras das meninas adolescentes selecionadas.

– BELIEVE: Atinge aproximadamente 1000 meninas Mwarusi (dos 12 aos 15 anos), em situação de maior vulnerabilidade, para que tenham maior acesso ao ensino secundário e oportunidades para desenvolver competências-chave para a sua vida.

Acreditar em si próprias

As Girl Movers são desafiadas a acreditarem em si próprias e a seguirem os seus sonhos. Só assim poderão mudar o mundo. É quando saem das suas zonas de conforto e encontram poder na mentoria em cascata que tudo acontece. Para serem chave de transformação, é importante que conheçam histórias de quem já viu resultados do seu compromisso consigo próprio. Nesse sentido, numa parceria com a Católica School of Business & Economics, a Girl MOVE Academy promoveu, em novembro passado, em Lisboa, o evento Different Stories Coming Together as One. Juntou, assim, Girl Movers e changemakers nacionais e internacionais com percursos semelhantes no que toca à resiliência e capacidade transformadora.

E a magia acontece

Inclusão, educação, women empowerment e sustentabilidade são algumas marcas das histórias que ficaram conhecidas no evento. No dia 8 de novembro, personalidades como o jornalista João Miguel Tavares, a bióloga Raquel Gaspar, o pugilista Jorge Pina ou a fundadora da Rethaka Foundation Thato Kgatlhnye contaram as suas histórias de vida e deixaram claro que a educação é sempre um caminho que conduz à possibilidade de escolha. E mostraram que é possível fazer uma história comum, capaz de contagiar e aumentar o entusiasmo de quem se propõe a buscar novas soluções para o mundo ou para o seu país.

Ser parte ativa da solução

Cada pessoa ou cada empresa ou organização pode unir a sua história a esta causa. É urgente criar novos líderes e contribuir para a educação e mentoria da nova geração de mulheres moçambicanas, agentes de mudança por excelência. Durante um ano, as raparigas — Girl Movers — recebem formação e 3 meses são passados em Portugal com um mês de estágio em empresas de referência, formação na Católica School of Business & Economics, e, por fim, 10 dias de contacto com personalidades de renome em organizações e projetos das áreas de especialização de cada Girl Mover. Colaborar é fácil: estágios, mentorias e troca de experiências são as formas principais. Mas toda a colaboração e transmissão de conhecimento é válida no contexto de formação destas raparigas que se dispõem a mudar o mundo para melhor. Saiba mais e invista na multiplicação de oportunidades em girlmove.org/pt/.

#observamosboascausas