O Livre quer ver “esclarecidas as circunstâncias da morte” do jovem cabo-verdiano em Bragança e se há “testemunhas dos factos que precederam os atos” na noite de 21 de dezembro. Luís Giovani dos Santos Rodrigues terá sido agredido, tendo ficado ferido com gravidade o que acabou por resultar na sua morte, 10 dias depois no hospital de Santo António no Porto, segundo um comunicado emitido pela Embaixada de Cabo Verde em Lisboa.

Num comunicado divulgado na página oficial de Facebook da deputada única do partido, Joacine Katar Moreira afirma que está “solidária” com todos os os outros amigos de Giovani que também terão sido espancados na mesma noite e apela “a que a justiça tenha lugar”.

“A luta contra o ódio e o racismo é também a luta pelo reforço da democracia, não apenas enquanto sistema político, mas enquanto um bem a preservar em tempo de ameaças e manipulações ideológicas”, pode ler-se no comunicado.

O partido afirma aguardar pela “justiça a Giovani e por uma explicação à sociedade” notando que a justiça “se prende com a verdade e com a reposição da confiança nas pessoas, no Estado e nas entidades que o representam”.

Também o maior partido da oposição cabo-verdiana no parlamento, o PAICIV se manifestou este domingo, pedindo ao governo português que dê explicações sobre a “bárbara” morte do estudante em Bragança.