O Presidente da República elogiou hoje a ação de Portugal por um ambiente sustentável, declarando o seu apoio ao Governo nesta matéria, e o papel do secretário-geral das Nações Unidas no combate às alterações climáticas.

“Lisboa abre o caminho, Portugal segue o caminho, a Europa apoia o caminho, António Guterres leva mais longe o testemunho universal nesse caminho. Estamos juntos e vamos vencer. Viva Lisboa Capital Verde Europeia 2020, viva Portugal”, exclamou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado falava no Parque Eduardo VII, na cerimónia de abertura de Lisboa Capital Verde Europeia 2020, em que estiveram presentes o primeiro-ministro, António Costa, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e o vice-presidente executivo da Comissão Europeia Frans Timmermans, entre outros.

“Vamos fazer desta capital uma capital cheia de juventude, vamos fazer deste ano um ano de juventude. Vamos mostrar aos pessimistas que é preciso ser-se otimista. Vamos mostrar àqueles que não percebem a causa do ambiente que esta é uma causa de todos. Vamos mostrar àqueles que querem adiar opções que não podemos adiá-las”, apelou.

Dirigindo-se em especial aos jovens, o Presidente da República acrescentou: “Vamos mostrar aos poderosos do mundo que negam a evidência que há evidências que são mais fortes do que a sua negação. Vamos mostrar, a partir de Lisboa, a partir de Portugal, a partir da Europa, apoiando António Guterres, que somos uma pátria de futuro”.

Marcelo Rebelo de Sousa, que discursou depois do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, começou por felicitar o executivo autárquico “que trouxe para Lisboa esta aposta de futuro: aposta no ambiente, na ecologia, no desenvolvimento sustentável, no diálogo intergeracional, na juventude”.

Depois, virando-se para António Costa, elogiou a ação no plano nacional em matéria ambiental, considerando que “Portugal aposta no verde, Portugal aposta no ambiente, Portugal aposta no enfrentar as alterações climáticas e o aquecimento global”.

“Portugal e o Governo, senhor primeiro-ministro, têm mostrado que querem liderar esta causa em termos europeus e mundiais. O senhor primeiro-ministro sabe que conta com o apoio não só do parlamento, não só com consenso nacional, mas com o apoio do Presidente da República Portuguesa e de todos os portugueses. É uma aposta de Lisboa, é uma aposta de Portugal”, declarou.

Os ministros do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, também estavam na assistência.

O Presidente da República enalteceu igualmente “a liderança europeia no que respeita à luta pelo ambiente, pelo ambiente sustentável, pelo Acordo de Paris, pela implementação do Acordo de Paris”, saudando a presença de Frans Timmermans nesta cerimónia: “É tão importante este papel europeu no mundo, estamos tão felizes por o ter aqui connosco. Obrigada”.

Em seguida, louvou o papel do antigo primeiro-ministro de Portugal António Guterres à frente das Nações Unidas, dizendo que foi “o primeiro a assumir o combate no domínio das alterações climáticas e do aquecimento global” e que tem sido “inspirador em todo o mundo e para todo o mundo”.

“Tem feito desta causa, a causa da humanidade. Nós apoiamos António Guterres, porque a sua voz é a voz de todos os cidadãos do mundo, sobretudo dos que mais sofrem, dos que menos têm”, prosseguiu. “Nesse mundo, António Guterres é o líder do futuro. Nós estamos consigo, secretário-geral das Nações Unidas”, afirmou.

No fim da sua intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa apontou a bandeira de Portugal erguida no topo do Parque Eduardo VII, feita a partir de detritos de plástico reciclados como um símbolo da “ponte que vai ser este ano”, que “começa com Lisboa Capital Verde Europeia 2020 e continua com o grande congresso das Nações Unidas sobre os oceanos”.