Desde que assumiu o comando técnico do Benfica, há pouco mais de um ano, Bruno Lage não tem sido imune a críticas. A quase redoma de proteção que levanta à volta de Pizzi, tornando-o um titular intocável, a questionável gestão do plantel efetuada nas competições europeias que acabou por culminar com a saída da Liga dos Campeões e algumas exibições mais apagadas trouxeram dúvidas sobre a liderança do treinador encarnado. Existe uma coisa, porém, que não pode ser apontada a Bruno Lage: a ausência de vitórias.

Com o resultado positivo em Alvalade, frente ao Sporting, o treinador encarnado alcançou o recorde absoluto de vitórias consecutivas fora na Primeira Liga (17), superando o anterior registo, que pertencia a Rui Vitória (em 2016/17). A série vitoriosa começou em janeiro de 2018, em Guimarães — no jogo em que Bruno Lage reconheceu ter existido um “clique” que acabou por catalisar a equipa para a reconquista do Campeonato –, e pode continuar já no próximo fim de semana, quando os encarnados visitarem o P. Ferreira na jornada seguinte.

Mais do que isso, estas 17 vitórias seguidas longe da Luz significam também que Bruno Lage conseguiu vencer tanto em Alvalade como no Dragão e no Municipal de Braga, tornando cada vez mais irreal a ideia de “deslocações difíceis” para o Benfica. Num dia em que, para além de ter conquistado mais três pontos, beneficiou ainda da derrota do FC Porto com o Sp. Braga para alargar para sete a distância pontual para o segundo lugar, o treinador encarnado recordou que esta foi exatamente a desvantagem que o Benfica tinha na temporada passada para a liderança quando assumiu o comando técnico da equipa.

“Aconteceu aquilo que prevíamos. Era fundamental a equipa ter ao longo dos 90 minutos um ritmo muito alto e foi o que fizemos, com uma pressão forte na frente, bem identificada porque o Sporting constrói bem desde trás. Essa, na minha opinião, foi a nossa mais valia, jogando como um coletivo. Fomos sempre a melhor equipa em campo e, como tal, esta vitória é justa. Mas são apenas três pontos que nos deixam confortáveis na liderança. Esta é a mesma vantagem que recuperámos no ano passado”, recordou Bruno Lage, garantindo que aquilo de que mais gostou no Benfica foi o espírito coletivo.

“Aquilo que gostei mesmo foi sermos equipa e termos colocado o jogo a um nível muito alto. Tivemos uma qualidade fantástica em termos coletivos, sabendo sempre que do outro lado está uma equipa empenhada mas que tem de correr mais para nos vencer. E é com essa motivação que trabalhamos, de termos de estar top de três em três dias”, concluiu o treinador na flash interview. Já na conferência de imprensa, Bruno Lage garantiu que os jogadores não sabiam o resultado do FC Porto quando entraram no relvado de Alvalade.