Cláudia Simões, a mulher alegadamente agredida por agentes da PSP no último domingo, afirmou ao Público que nada teve a ver com as agressões, na noite desta sexta-feira, ao motorista do autocarro da Vimeca. “Quero deixar claro que nem eu, nem a minha família tem nada a ver com o que se passou ontem com o motorista, tal como a PSP sabe”, disse ao mesmo jornal.

O motorista do autocarro da Vimeca que terá estado na origem do conflito com Cláudia Simões foi agredido esta sexta-feira, segundo confirmou a PSP. As agressões ocorreram na Avenida 25 de Abril, em Massamá, e o homem foi levado para o Hospital São Francisco Xavier onde ficou internado. Cláudia Simões disse-se ainda “chocada” com o facto de poder ter sido associada às agressões.

De acordo com o Expresso, o motorista “vai permanecer internado mais alguns dias”. À SIC, um transeunte disse ter testemunhado o momento em que o motorista foi encaminhado para o hospital, afirmando que era possível ver “muitos hematomas no rosto e feridas graves na cabeça”.

Caso da Amadora. Agredido motorista que chamou a polícia para denunciar Cláudia Simões

Cláudia Simões é uma portuguesa de 42 anos que foi alegadamente agredida por agentes da PSP na noite de dia 19, na Amadora, em frente à filha Vitória, de 8 anos, tendo ficado “num estado grave”, conduzida depois ao Hospital Amadora-Sintra. Nas redes sociais foi publicado um vídeo com parte da detenção, no qual é possível ver um agente da PSP em cima da mulher. Na causa do incidente terão estado desacatos com o motorista do autocarro e, posteriormente, com a PSP, por Vitória não ter um um bilhete para andar no autocarro. O caso foi denunciado pela associação SOS Racismo esta segunda-feira dizendo que se tratou de uma questão de racismo por a mulher ser negra.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

SOS Racismo denuncia agressão “contra cidadã negra portuguesa”. PSP acusa-a de “resistir à detenção”

Em comunicado no mesmo dia, a Direção Nacional da PSP afirmou que o motorista terá chamado o agente que estava de patrulha na rua porque havia uma mulher que se recusava a “proceder ao pagamento da utilização do transporte da sua filha, e também pelo facto de o ter ameaçado e injuriado”. E apresenta uma versão diferente do caso: “A cidadã, de imediato e sem que nada o fizesse prever, mostrou-se agressiva perante a iniciativa do polícia em tentar dialogar, tendo por diversas vezes empurrado o polícia com violência, motivo pelo qual lhe foi dada voz de detenção”, pode ainda ler-se no comunicado.

IGAI abre processo a sindicato da PSP que escreveu no facebook que detida tinha “doenças”. Publicação foi apagada

“A partir desse momento, alguns outros cidadãos que se encontravam no interior do transporte público tentaram impedir a ação policial, nomeadamente pontapeando e empurrando o polícia”, disse ainda a PSP. Cláudia afirma que, depois de ser detida, foi agredida.