O Banco de Moçambique (BM) lançou esta sexta-feira uma plataforma que facilita o acesso e expansão de serviços financeiros nas zonas rurais, um sistema eletrónico que vai localizar agências bancárias, microbancos e cooperativas de crédito online.

A iniciativa visa “contribuir na extensão da atividade financeira às zonas rurais”, além de aumentar os “níveis de inclusão financeira no país”, disse Rogério Zandamela, governador do Banco de Moçambique, falando durante o lançamento da iniciativa.

O projeto, denominado “Mapeamento (GIS) dos Pontos de Acesso aos Serviços Financeiros” resulta de uma parceria entre o BM e o Ministério dos Transportes e Comunicações.

A plataforma GIS apresenta o número e localização de serviços financeiros em tempo real, nomeadamente: caixas multibanco, agências bancárias e agentes bancários, bem como a distância por percorrer.

O sistema vai também beneficiar a banca comercial, disponibilizando informações atualizadas sobre a localização da população, o volume de contas bancárias existentes, além de informações gerais sobre a região.

Segundo o BM, estas informações vão permitir que as agências bancárias tomem melhores decisões no que diz respeito à estratégia de investimento e extensão da sua rede comercial.

Os dados vão permitir às instituições de crédito direcionar melhor os seus esforços para locais com maior densidade populacional”, referiu Teotónio Comiche, presidente da Associação Moçambicana de Bancos (AMB).

Segundo dados do BM, a estratégia de inclusão financeira em Moçambique permitiu que 64% dos distritos do país tenham, pelo menos, um ponto de acesso aos serviços financeiros, contra 58% em 2015.

Dos 154 distritos existentes no país, 65% têm pelo menos uma agência bancária, 84% possuem uma instituição de moeda eletrónica, 59% dos distritos dispõem de pelo menos uma caixa multibanco e 24% dos distritos têm um ponto de contacto com uma instituição seguradora.