O presidente da Câmara Municipal do Funchal visitou este domingo diversos pontos do município na sequência do sismo magnitude de 5,1 na escala de Richter que abalou a Madeira na noite de sábado, concluindo não haver “ocorrências relevantes”.

O autarca Miguel Silva Gouveia fez-se acompanhar por elementos da Proteção Civil Municipal e pelo geólogo e antigo vereador Domingos Rodrigues.

Segundo uma nota de imprensa da Câmara Municipal, “a visita contemplou a análise de reservatórios, edifícios municipais, taludes e escarpas, complexos balneares e complexos habitacionais, não tendo sido registadas ocorrências relevantes a reportar”.

Miguel Silva Gouveia aconselha, no entanto, “a que todos os cidadãos efetuem este domingo uma inspeção visual às suas propriedades e moradias, com especial atenção aos poços de rega”, devendo quaisquer alterações ser reportadas.

O presidente da Câmara do Funchal recomendou, igualmente, que “a população se mantenha atenta ao surgimento de novas informações e que respeite todas as recomendações de autoproteção que o Serviço Municipal de Proteção Civil tem divulgado desde sábado”.

Ao princípio da noite de sábado, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, dava conta de que pelas 20h58 horas “foi registado nas estações da Rede Sísmica do Continente, um sismo de magnitude 5,1 (Richter) e cujo epicentro se localizou a cerca de 40 quilómetros a Sul do Funchal”.

O aviso do IPMA – que reviu a magnitude dos 5,3 inicialmente adiantados para 5,1 – acrescentava que “o sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima V (escala de Mercalli modificada) nos concelhos de Funchal e Santa Cruz (ilha da Madeira) e com intensidade menor em diversos outros concelhos na ilha da Madeira.

“Foi ainda sentido em Porto Santo com intensidade de III/IV. Até ao momento foram recebidos mais de 200 testemunhos do sismo ter sido sentido”, referiu também o IPMA.