O comentador político e ex-presidente do PSD, Luís Marques Mendes, disse este domingo que a perspetiva de instabilidade no Governo de António Costa só tem por onde “agravar” e nessa senda referiu que o pedido de mais estabilidade por parte do Presidente da República “foi dos discursos mais marcantes que ele fez”.

Numa conferência promovida pelo jornal Público, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o “caminho” passa por “baixar a temperatura do ambiente vivido” e por “resistir à tentação sistemática” do “aceno a crises políticas apelando a dissoluções”.

Luís Marques Mendes, que é próximo de Marcelo Rebelo de Sousa e faz parte do Conselho de Estado, reiterou as palavras do Presidente da República e disse: “Este Governo está numa encruzilhada, porque tem um defeito de fabrico: começou sem maioria”.

O comentador político teceu ainda uma comparação entre o Governo de António Costa e os dos seus dois antecessores socialistas. “Tem um misto do pior dos dois mundos de Sócrates e de António Guterres”, disse. “Herdou de Sócrates o lado um pouco arrogante e autoritário, o que não é bom. E herdou de António Guterres um certo clima de frustração e ingovernabilidade porque não tem parceiro para governar.”

“Isto, se não for visto com atenção, ou termina no caos ou termina no pântano”, vaticinou Luís Marque Mendes, que prevê uma alta na instabilidade política depois de 2021, ano em que Portugal terá a presidência rotativa da União Europeia (entre janeiro e junho) e onde haverá eleições autárquicas.

Até lá, disse o comentador, “não vamos ter crise política nenhuma”. Mas também não deverá haver “uma nova coligação ou uma nova geringonça”, nomeando como impedimento a hesitação do PCP e do BE. “E depois ainda porque António Costa torce o nariz ao BE”, completou Luís Marques Mendes.

Com “bloqueios” na AR e sem margem para acordos com o PSD, Costa sob pressão para novos entendimentos à esquerda

Conselho de ministros da Saúde da UE em ambiente de “tensão e crispação”

Marques Mendes falou ainda da reunião entre os ministros da Saúde de toda a União Europeia, por causa do coronavírus, referindo que uma fonte da Comissão Europeia lhe disse que aquele encontro, que ocorreu na sexta-feira, decorreu num ambiente de “uma certa tensão e uma certa crispação”.

Ali, de acordo com Marques Mendes, opôs-se a posição de países mais pequenos (como Portugal), que defendem “uma intervenção mais concertada, unida e coordenada de toda a UE”, à posição defendida por países como Alemanha e França, que Marques Mendes diz terem uma “lógica muito nacionalista, de não exportar alguns produtos”.

Em causa está a exportação de máscaras, luvas e outros materiais. Tanto a Alemanha como França, além da República Checa, suspenderam as exportações de alguns desses itens.

“Agora vamos ter um outro desporto nacional, que é caça ao juiz”

Sobre a demissão do presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, que renunciou ao cargo esta segunda-feira, Luís Marques Mendes disse que Orlando Nascimento “não tinha alternativa”.

“Fica a sensação de que foi mais empurrado do que por iniciativa própria, mas saiu, e bem”, comentou.

Luís Marques Mendes apontou ainda três defeitos à magistratura portuguesa, que ressalta depois do escândalo da distribuição de processos aos juízes desembargadores: corporativismo, défice de escrutínio e um “mundo muito fechado” na justiça.

Por outro lado, Luís Marques Mendes ressaltou que “a classe dos juízes não é uma classe corrupta” e que “a  esmagadora maioria dos juízes é gente boa, séria, íntegra e competente”. Ainda assim, teme o comentador, a tendência, a partir de agora, poderá ser a de tomar a parte pelo todo. “A partir de agora, se bem conheço o andar da carruagem, vamos ter um outro desporto nacional, que é a caça ao juiz. Tiro ao juiz. Ou seja, tentar descobrir casos”, disse.