Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Espanha, Inglaterra, Alemanha, Itália, França. Tudo parado. Portugal, Rússia, Bélgica, Holanda, Ucrânia. Tudo parado. As provas nacionais dos dez países com melhor ranking na Europa já estavam suspensas e esta quinta-feira o 11.º, a Turquia, acabou por ceder aos pedidos de clubes e jogadores e fechou também portas depois de mais alguns encontros que foram sendo realizados à porta fechada. Áustria, Dinamarca, Escócia, Rep. Checa… A ideia foi percebida – tudo parado. Mas há uma exceção quando chegamos ao 25.º lugar: a Bielorrússia.

Numa altura em que existe quase uma espécie de minuta por preencher que começa com ______________ para preencher tendo à frente adiado ou suspenso, o país de leste teve hoje o arranque da primeira jornada da Vysshaya Liga, o campeonato nacional. E logo com uma surpresa (pelo menos para todos aqueles que não são propriamente especialistas do futebol local bielorrusso): o BATE Borisov perdeu fora na ronda inaugural diante do Energetick por 3-1, com Djasur Yakhshibaev a ser grande figura do jogo. No outro encontro, Gabriel Ramos, brasileiro que passou pelas escolas do Flamengo antes de rumar à Geórgia e saltar depois para a Bielorrússia, decidiu o triunfo do Torpedo-Belaz Zhodino na visita ao Shakthyor pela margem mínima (1-0).

Quando todos estudavam as soluções para enfrentar a pandemia global do novo coronavírus, a Bielorrússia estava na pré-temporada. Quando todos decidiram parar, a Bielorrússia começou a competição. E, pelas palavras do próprio presidente do país, Alexander Lukashenko, não existem razões para que algo seja diferente. Logo ele que, entre jogos de hóquei em gelo amigáveis com o russo Vladimir Putin (como na foto deste texto), jogou também futebol quando era mais novo e fez esqui e cross-country, mais dois desportos de inverno.

“Apesar de certas críticas ao meu nome, não posso chamar a este vírus outra coisa que não uma psicose e nunca mudarei de ideias. Porquê? Porque estou certo que iremos sofrer mais com o pânico do que com o vírus em si. O mundo civilizado do nosso planeta está maluco. Não há necessidade de entrar em pânico, é preciso continuar a trabalhar. Especialmente agora, no campo. É bom ver a TV, pessoas a trabalhar nos tratores, ninguém fala do vírus. O trator cura toda a gente, o campo cura toda a gente”, referiu, em declarações citadas pelo RT.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

«Lavem as mãos mais vezes, comam o pequeno-almoço, o almoço e o jantar a uma determinada hora. Não bebo álcool mas costumo dizer a brincar que o vodka não serve apenas para lavar as mãos, também deviam beber uns 100 mililitros por dia para matar o vírus, caso não estejam a trabalhar. Desejo-vos boa saúde, não adoeçam. Vão fazer uma sauna, desde que seja seca, duas ou três vezes por semana. Os chineses dizem que o vírus morre a partir dos 60 graus centígrados», acrescentou Alexander Lukashenko numa declaração ao país.