O número de doentes com Covid-19 recuperados registou, finalmente, um aumento significativo, de acordo com o boletim da Direção-Geral de Saúde (DGS), divulgado esta segunda-feira. Desde o dia 19 que não havia alteração mas o número subiu (até à meia-noite de 23 de março), para 14 – ou seja, quase triplicando face aos cinco que havia. O mesmo boletim mostra que, com o número total de infetados a subir 29% para mais de dois mil (2.060), com aceleração na zona de Lisboa e Vale do Tejo. O número de mortos aumentou para 23.

O boletim divulgado pela DGS esta segunda-feira indica que é na zona de Lisboa e Vale do Tejo que, com 737 casos confirmados (8 mortos e 4 recuperados), existiu o aumento mais rápido em relação ao boletim emitido 24 horas antes. O aumento é de 38%, que compara com o aumento percentual de 19% registado entre o dia anterior e a véspera – ou seja, houve uma aceleração para precisamente o dobro da velocidade.

Em contraste, na zona Norte, embora já existam mais de 1.000 casos (1.007), deu-se uma pequena desaceleração do número de casos (22%, contra 28%). No Algarve, há 42 casos (20% mais do que na véspera), no Centro existem 238 confirmações (mais 32% do que no domingo) e no Alentejo os mesmos 5 casos da véspera. Há, também, um aumento significativo dos casos nos Açores, de 3 para 11, e na Madeira, de 1 para 9 pessoas.

Eis uma sistematização das principais conclusões que se podem tirar a partir do relatório divulgado esta segunda-feira, 23 de março.

  • O aumento do número de casos foi o mais rápido dos últimos três dias – quase 29% – passando a fasquia das 2.000 confirmações.
  • Há um aumento substancial (22%), também, dos casos não-confirmados que aguardam análise laboratorial. Eram 850 à meia-noite de sábado para domingo, subiram para 1.402 à meia-noite de domingo para esta segunda-feira.
  • Existe, por outro lado, uma descida do número de pessoas em vigilância por parte das autoridades de saúde. Esse número caiu para 11.842, face a 12.562 pessoas.
  • Na análise às faixas etárias, o dado mais relevante é o aumento dos casos as idades que comportam um maior risco: houve mais 48 casos acima dos 80 anos e mais 39 entre os 70 e os 80 anos.
  • Há também mais duas crianças abaixo de 10 anos, um menino e uma menina, que fazem subir esse total para 7 meninos infetados e 18 meninas (com menos de 10 anos).
  • Nesta fase, os 2.060 casos repartem-se entre 980 homens e 1.080 mulheres.
  • O número de doentes internados aumentou 19%, para 201 pessoas, 47 das quais em unidades de cuidados intensivos (eram 41 no domingo.
  • Há novos países no campo dos casos importados, regista-se a entrada do Egito, de onde terá chegado um caso. Há, também, um aumento significativo dos casos importados de Espanha (33 para 44).
  • O mapa indica que 9 das 23 mortes ocorreram na zona norte (onde também já houve 3 recuperados), 5 das mortes foram no centro (com 7 recuperados) e mais 8 pessoas morreram na zona de Lisboa e Vale do Tejo (com 4 recuperados). Mantém-se o registo de um morto na zona do Algarve.
  • Até ao momento, compara-se com os 2.060 casos confirmados o total de 10.212 casos que não se confirmaram. Desde 1 de janeiro existiram, assim, 13.674 casos suspeitos.