O Governo disse esta sexta-feira que está a acompanhar a evolução da pandemia de Covid-19 nos países parceiros da cooperação portuguesa, adiantando que, até ao momento, não recebeu qualquer pedido de ajuda para os esforços de luta contra a doença.

“Embora não tenham ainda sido recebidos pedidos de ajuda por parte dos países parceiros, Portugal está a acompanhar a evolução da situação e, conjuntamente com os parceiros internacionais, a avaliar os esforços que permitam uma ação assertiva no apoio aos países em situação de maior fragilidade para fazer face a esta pandemia”, disse Teresa Ribeiro.

Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são os principais parceiros de Portugal, países com os quais existem programas de cooperação que abrangem setores como agricultura, saúde, educação ou justiça.

Em caso de pedidos de apoio, e apesar dos esforços portugueses estarem concentrados no combate à pandemia em Portugal, Teresa Ribeiro assegurou que existem várias possibilidades de intervenção.

No plano imediato, a ação nacional integrará os esforços da comunidade internacional, incluindo das Nações Unidas e da União Europeia na ajuda aos países mais vulneráveis”, disse.

Adiantou que a intervenção portuguesa poderá passar por contribuições para agências multilaterais, nomeadamente a Organização Mundial de Saúde ou Cruz Vermelha Internacional, com “enfoque, nesta primeira fase de resposta de emergência, está no apoio às populações com maiores necessidades humanitárias”.

“Procuraremos garantir que as nossas contribuições multilaterais sejam canalizadas para instrumentos que deem preferência a regiões e programas que abranjam os PALOP e Timor-Leste”, disse.

“Esse esforço coletivo irá, posteriormente, priorizar as principais necessidades dos países mais frágeis à escala global e, nesse contexto, estaremos atentos para que os países prioritários da cooperação portuguesa sejam incluídos nas respostas específicas que, face à evolução da pandemia, venham a ser adotadas”, acrescentou.

A secretária de Estado sublinhou ainda a aposta do Governo em criar “mecanismos que permitam responder de forma eficaz aos pedidos que, no plano bilateral, venham a ser colocados pelos países parceiros da cooperação portuguesa”.

À exceção de São Tomé e Príncipe, todos os países africanos lusófonos e Timor-Leste registaram casos de infeções pelo novo coronavírus, com Cabo Verde a contabilizar uma morte associada à doença.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25.000.

Portugal regista esta quinta-feira 76 mortes associadas à Covid-19, mais 16 do que na quinta-feira, e o número de infetados subiu para 4.268, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde.