O ex-futebolista costa-marfinense Didier Drogba, campeão europeu e inglês com o Chelsea, propôs às autoridades da Costa do Marfim que o hospital da sua Fundação, em Abidjan, seja um centro de deteção da Covid-19 no país.

De acordo com o jornal L’Équipe, o antigo internacional “ofereceu” o hospital situado no centro da capital da Costa do Marfim, uma unidade de saúde que tem o nome de Laurent-Pokou, antigo jogador e treinador do país, falecido em 2016.

As reações à oferta de Drogba não se fizeram esperar, com o autarca de Abidjan a dizer que se trata de “um ato de patriotismo”, e a diretora da Fundação de Drogba, Mariam Breca, a alertar que compete ao Estado que o centro seja funcional.

O governo da Costa do Marfim indicou na quinta-feira a intenção de colocar em marcha uma estratégia para a deteção do novo coronavírus, com 13 centros de testes em Abidjan, e 45 em todo o país. De acordo com os últimos dados, a Costa do Marfim apresentava 574 casos de infetados com o novo coronavírus e cinco mortes.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já provocou mais de 112 mil mortos e infetou mais de 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, quase 375 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Em África, há registo de 747 mortos num universo de mais de 13 mil casos em 52 países.