Ao longo das últimas semanas, e com o surto do novo coronavírus a obrigar a decretar estado de emergência no país, têm sido várias as iniciativas que querem ajudar tanto voluntários como profissionais de saúde e outros trabalhadores que não podem deixar de cumprir as suas tarefas. Também as empresas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados (TVDE), como a Uber, Bolt ou Kapten, têm criado formas de ajudar estes profissionais, desde viagens e refeições grátis ou mais baratas ao apoio na entrega de bens sem cobrar comissões.

Uber oferece viagens e refeições aos profissionais de saúde

Nesta quarta-feira, a Uber anunciou várias ofertas para profissionais de saúde que estão na linha da frente no combate ao novo coronavírus, quer do Serviço Nacional de Saúde (SNS), do setor privado ou do setor da economia social. A começar pela oferta de 12 mil viagens até 10 euros para estes profissionais chegarem e regressarem do trabalho.

O objetivo, explica a empresa em comunicado, é ajudar a “reduzir a pressão” sobre estes profissionais de saúde, numa altura tão difícil como esta. “As viagens e refeições gratuitas podem ser solicitadas por qualquer pessoa com um endereço de e-mail do SNS ou de um serviço de saúde”, refere a Uber, acrescentando que deve ser preenchido um formulário. Após as 12 mil viagens, a Uber garante ainda um desconto de 20% para as viagens seguintes.

Também a Uber Eats vai cobrir 5.000 refeições para a equipa do SNS — até 15 euros por refeição — e 5.000 ofertas da taxa de entrega para comprar uma refeição nos mais de três mil restaurantes da plataforma. A empresa vai “também tornar possível que os seus restaurantes parceiros doem refeições ou forneçam ofertas específicas aos profissionais de saúde”.

As bicicletas JUMP também vão ter ofertas. Os profissionais de saúde podem utilizá-las gratuitamente em quatro hospitais de Lisboa: Santa Maria, São José, Curry Cabral e Estefânia. Ao todo, podem ser oferecidas cinco mil viagens, cada uma de até 30 minutos.

“Os incríveis enfermeiros, médicos e equipas de apoio do SNS e de todo o sistema de saúde estão a realizar um trabalho heroico na linha da frente desta crise e a Uber agradece os seus esforços extraordinários. Esperamos poder ajudar de uma forma simples com refeições e viagens enquanto trabalham incansavelmente dia e noite”, referiu Dara Khosrowshahi, presidente da Uber, citado em comunicado.

A empresa acrescenta que os profissionais do SNS, assim como do Grupo Luz Saúde, Grupo Lusíadas Saúde e Santa Casa da Misericórdia do Porto já foram pré-aprovados para estas ofertas.

Bolt: vouchers para ajudar voluntários

Através da oferta de vouchers promocionais, a Bolt juntou-se à aplicação portuguesa “Quero ajudar” para facilitar as deslocações dos voluntários na assistência a pessoas em situação de risco, durante o período de quarentena.

“Simplificar a vida a quem está de quarentena ou tem dificuldades em deslocar-se é o principal objetivo do projeto e sendo a missão da Bolt tornar as viagens mais fáceis, cómodas e seguras, quisemos ajudar a proteger os voluntários nas suas deslocações, essencialmente em zonas em que existe maior dificuldade de acesso a supermercados e farmácias”, explica Pedro Maia, Diretor de Operações da Bolt em Portugal, citado em comunicado.

Do apoio psicológico aos passeios com o seu animal de estimação, a “Quero Ajudar” é a aplicação que reúne uma equipa de mais de 2500 voluntários prontos a prestarem serviços a quem estiver de quarentena. Para se juntar à iniciativa basta ir ao site.

Bolt junta-se à aplicação “Quero Ajudar” e garante deslocações aos voluntários que apoiam pessoas em quarentena

Free Now: viagens mais baratas, apoio na entrega de bens e bicicletas grátis

A Free Now (antiga Mytaxi) criou o serviço “Táxi Herói” para permitir preços de viagens mais baixos aos profissionais de saúde e, mais recentemente, disponibilizou também este serviço a todos os trabalhadores da Câmara Municipal de Lisboa e dos serviços e entidades associados à autarquia que “são essenciais para a cidade e que continuam em funcionamento, mesmo em pleno Estado de Emergência”, refere em comunicado.

Ao integrar a iniciativa criada pela Câmara Municipal de Lisboa — “Os heróis da cidade” –, o “Táxi Heroi” da Free Now passa a estar disponível “não só para os profissionais da área da saúde, como também para todos os trabalhadores da Carris, Polícia Municipal, Bombeiros, Proteção Civil e Higiene Urbana, que continuam todos os dias a precisar de se deslocarem para o local de trabalho”. Os profissionais podem agora usufruir de um desconto de 40%. 

“Esta parceria funciona em conjunto com uma rede suportada pelo Município, com a Free Now a não cobrar qualquer comissão em todas estas viagens, servindo o valor da viagem para assegurar um mínimo de compensação para os motoristas de táxi que, nesta altura, atravessam também um período difícil, com a diminuição drástica das deslocações”, refere ainda a empresa.

Lançámos o Táxi Herói com o objetivo de poder ajudar e facilitar o dia a dia daqueles que continuam na linha da frente, e que, para garantir o bem-estar de todos nós, continuam diariamente a desempenhar as suas atividades com dedicação e espírito de entrega”, explica Sérgio Pereira, Responsável da Free Now em Portugal, citado em comunicado.

Também a Kapten e a Hive, outras plataformas do grupo Free Now, estão a colaborar com a autarquia de Lisboa para ajudar estes profissionais. A Kapten, por exemplo, presta apoio na entrega de bens, sem cobrar qualquer comissão, a partir das lojas do comércio local pertencentes à rede de apoio do Município e que distribuem produtos pelos mais necessitados.

a Hive está a oferecer as suas bicicletas elétricas para que trabalhadores e voluntários possam realizar entregas em trajetos mais curtos. Sérgio Pereira acrescenta: “Perante esta situação difícil que todos vivemos, temos procurado diariamente encontrar formas de ajudar não só aqueles que continuam na linha da frente a lutar e a garantir que os mais frágeis e necessitados continuam a receber ajuda, como também formas de mitigar a situação complicada que tanto motoristas de táxi como de TVDE atravessam com a falta de viagens”.