O Sindicato dos Trabalhadores do Setor Têxtil da Beira Baixa disse esta segunda-feira que há três confeções do distrito de Castelo Branco que não pagaram o salário de março e frisou que a Covid-19 não pode ser usada para “roubar direitos”.

Em comunicado enviado à agência Lusa, este sindicato que tem sede na Covilhã, distrito de Castelo Branco, diz que estão em causa as empresas Lanifato (Belmonte), Dalina (Castelo Branco) e Unideco (Penamacor). Assinado por Marisa Tavares, da direção do STBB, o comunicado aponta que, no caso da Lanifato, as trabalhadoras, “com medo e pressionadas”, aceitaram gozar 15 dias de férias, tendo sido enviadas para casa no dia 20 de março, com a informação de que depois a empresa recorreria ao ‘lay-off’.

Aquela estrutura sindical afeta à CGTP-IN garante que, no fim desses 15 dias, a empresa contactou as trabalhadoras por telefone para as informar que ainda não era possível voltarem ao trabalho e não lhes explicou em que situação ficavam, tendo apenas respondido que não sabia se estava ou não em “lay-off”.

A empresa não sabe se colocou ou não o requerimento para o ‘lay-off’ à Segurança Social?”, questiona o sindicato, sublinhando que a empresa também terá dito que não tem condições para pagar o salário em atraso e que, “quando puder, paga”.

No mesmo comunicado, é igualmente apontado que confeção Dalina, em Castelo Branco, também ainda deve o salário de março e que deu como justificação que não terá sido aprovada uma linha de crédito, “estando também estas trabalhadoras numa situação bastante difícil”.

A empresa Unideco, em Penamacor, pertencente aos empresários da Lanifato, está na mesma situação, sem o salário do mês de março”, denuncia aquele sindicato, sublinhando que não podem ser os trabalhadores a pagar os prejuízos causados pela pandemia.

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 164 mil mortos e infetou mais de 2,3 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 525 mil doentes foram considerados curados.

Portugal regista 714 mortos associados à Covid-19 em 20.206 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado no domingo.