Alguns espaços e serviços municipais de Lisboa, como o Padrão dos Descobrimentos, a Estufa Fria e a Biblioteca Nacional, vão começar a reabrir a partir de 18 de maio, anunciou esta quinta-feira a Câmara Municipal.

Em comunicado, a autarquia anunciou um conjunto de medidas que serão adotadas nas próximas semanas, no seguimento do fim do estado de emergência devido à pandemia de Covid-19 e da definição pelo Governo de “um plano gradual de desconfinamento”, prevendo também a retoma a partir de segunda-feira da fiscalização e cobrança do estacionamento na via pública.

Além da reabertura gradual de espaços e serviços, a Câmara de Lisboa decidiu também manter “em condições de total operacionalidade” o Hospital de Campanha do Estádio Universitário até dezembro de 2020.

Esta opção destina-se a fazer face a uma eventual segunda vaga da pandemia e concretiza-se através da manutenção da operação no Pavilhão 3 e da manutenção de capacidade de reativação nos Pavilhões 1 e 2 no prazo máximo de uma semana”, lê-se na nota da autarquia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Câmara de Lisboa refere que esta solução foi defendida pela Administração Regional de Saúde e pela Rede de Hospitais do Serviço Nacional de Saúde e teve o apoio de todos os parceiros envolvidos no Hospital, nomeadamente a Universidade de Lisboa, o Estádio Universitário e o Exército”.

Relativamente à reabertura progressiva de equipamentos e serviços, o município adianta que, desde quarta-feira, voltou a ser feita a recolha de “lixo volumoso” pelos serviços de Higiene Urbana.

Irá também ser realizado um “reforço da desinfeção e higienização, pelos serviços de Higiene Urbana, de todos os equipamentos de espaço público nas áreas envolventes às escolas que irão abrir no dia 18 de maio.

De acordo com a autarquia, o primeiro espaço a voltar a estar acessível ao público serão os espaços verdes do Palácio Pimenta, já a partir de terça-feira, entre as 11h e as 17h (acesso gratuito).

Devido à realização de obras, o Castelo de São Jorge só voltará a abrir em 1 de junho.

A partir de dia 18, voltarão a estar abertos os museus da Marioneta, do Fado, Bordalo, Aljube, núcleos do Museu de Lisboa e Galerias Municipais (com exceção do Atelier Museu Júlio Pomar e da Casa Fernando Pessoa), o Padrão dos Descobrimentos, a Estufa Fria e o Jardim da Cerca da Graça.

As bibliotecas municipais também irão reabrir na mesma data, mas apenas para empréstimo, devolução e reserva de livros. Os restantes serviços, à exceção das salas infantis, reabrem em 1 de junho.

O Arquivo Municipal de Lisboa irá abrir de “forma faseada e com marcação prévia”. Assim, os serviços do Bairro da Liberdade, Arquivo Fotográfico e Arco do Cego voltarão a estar abertos a partir de 18 de maio, enquanto a Videoteca apenas a partir de 01 de junho.

A sala de leitura do Gabinete de Estudos Olisiponenses também reabre em 18 de maio, com marcação prévia.

Serão igualmente reabertos os elevadores públicos (que não sejam de acesso único) a cargo da EMEL, “com um protocolo de limpezas diária”.

Quanto ao atendimento municipal na área do Urbanismo e Habitação, a Câmara indica que continuará “a ser feito preferencialmente através das plataformas do Urbanismo Digital, Loja Lisboa Online, Portal Minha Rua LX, email municipe@cm-lisboa.pt e ainda através da linha telefónica 808 203 232″.

Segundo a autarquia, caso não seja possível utilizar estes meios digitais, reabrem, a partir de dia 11 de maio os serviços de atendimento presencial das Lojas Lisboa (Entrecampos, Marvila, Alcântara e Baixa), mediante agendamento prévio.

O atendimento nos gabinetes dos bairros municipais continuará também a ser feito preferencialmente via email ou por telefone, mas, na impossibilidade de utilização destes canais, “a partir de dia 11 de maio reabrem os serviços de atendimento presencial” com marcação prévia nos gabinetes de bairro da Alta de Lisboa, Horta Nova, Boavista, Olaias e Bela Vista.

A autarquia alerta ainda que o atendimento presencial em espaços municipais obedecerá “às regras gerais definidas”, nomeadamente a distância social de segurança (com recurso a barreiras acrílicas, marcações de distanciamento e circuitos de circulação) e a utilização obrigatória de máscaras nos espaços fechados.

A Loja Lisboa Cultura também irá reabrir os atendimentos com marcação prévia e, a partir de 01 de junho, a Lisboa Film Commission, “mantendo-se, em ambos os casos, preferencialmente, o atendimento não presencial” por ’email’ e telefone.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 263 mil mortos e infetou cerca de 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.105 pessoas das 26.715 confirmadas como infetadas, e há 2.258 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.