Não é uma novidade durante a pandemia, mas os números boletim da diário da Direção-Geral de Saúde voltaram a não bater certo. Nas últimas 24 horas, tinham sido registados menos 36 casos na região centro, sem que houvesse mais mortes na região nem houvesse novos recuperados no país. O erro criava, desde logo, uma situação estranha: eram registados 134 novos casos em quatro regiões relativamente ao dia anterior, mas o aumento nacional de novos casos era de apenas 98. Fonte da Direção-Geral de Saúde explicou ao Observador que foi feita “limpeza de doentes que se verificou que estavam duplicados e tinham sido contados duas vezes“. Ou seja: os dados do boletim de hoje são “mais rigorosos” do que os dois do fim-de-semana que davam mais casos na região centro.

Confusão de números à parte, há vários sinais positivos no boletim desta segunda-feira. Desde logo, é a primeira vez desde 22 de março que o número de mortes não passa os dois dígitos durante dois dias consecutivos: foram registadas nove mortes, as mesmas que no domingo, dia 11. No Centro, Alentejo, Madeira e Açores não foram registadas novas mortes e no Algarve foi registado um óbito. Continuam a não existir mortes na Região Autónoma da Madeira.

O aumento do número de casos diários em termos percentuais é o mais baixo de sempre: 0,36%. Olhando para os números absolutos e recuando até 16 de março, só houve um dia em que foram registados menos casos do que os 98 desta segunda feira: a 3 de maio, quando houve 92 novos casos. Contudo só na região de Lisboa e Vale do Tejo e na região Norte houve 130 novos casos, 74 dos quais na região da capital e 56 no Porto.

O número de pessoas internadas aumentou ligeiramente: mais oito pessoas, para um total de 805. Destas mantêm-se as mesmas que estavam no domingo em cuidados intensivos: 112.

Os dez concelhos com mais casos são neste momento Lisboa (1737), Vila Nova de Gaia (1455), Porto (1303), Braga (1152), Matosinhos (1207), Gondomar (1048), Maia (909), Sintra (769) Valongo (737) e Ovar (626).

Não há novos casos importados, sendo que Espanha (177), França (137) Reino Unido (88), Emirados Árabes Unidos (48), Brasil (30) e Itália (29) continuam a liderar a lista de países de onde Portugal importou mais casos.

Artigo atualizado às 17h43 de segunda-feira, após resposta da Direção-Geral de Saúde a justificar o porquê de ter havido uma redução de 36 casos na região Centro sem que tenham existido novas mortes ou recuperados na região.